Filmes e séries

Iraniano Jafar Panahi convidado para júri do Festival de Cinema de Berlim 2011

Getty Images
O cineasta iraniano Jafar Panahi em foto tirada durante o Festival de Toronto de 2006, no Canadá Imagem: Getty Images

Da Redação *

06/12/2010 15h05

O cineasta iraniano Jafar Panahi foi convidado para participar do júri da mostra competitiva do 61º Festival de Cinema de Berlim, será realizado entre os dias 10 e 16 de fevereiro de 2011, informaram os organizadores. "Esperamos que Jafar Panahi possa participar do festival e realizar esta tarefa tão importante, na 61ª Berlinale", explicou o diretor da mostra, Dieter Kosslick, em comunicado.

Jafar Panahi, 50 anos, não pôde participar da Mostra de Veneza em setembro, por ter tido seu passaporte invalidado pelo governo iraniano. "Proibem-me de fazer filmes há cinco anos. Quando um realizador não é autorizado a fazê-los, significa que está preso mentalmente", havia escrito o cineasta em mensagem lida ao público antes da projeção do curta-metragem "O Acordeão", em Veneza.

Panahi havia sido preso em março, acusado pelo ministério iraniano da Cultura de ter "preparado um filme contra o regime, registrando acontecimentos pós-eleitorais". Eram alusões a manifestações de protesto contra a reeleição de Mahmoud Ahmadinejad, em junho de 2009, cujos resultados foram contestados mundialmente.

O governo iraniano prendeu Panahi em março. O cineasta passou três meses na prisão, período no qual fez até uma greve de fome. Cineastas do mundo inteiro se manifestaram contra a prisão e pediram a soltura do diretor de "O Balão Branco", "O Espelho" e "O Círculo", entre outros filmes. Foi liberado ao final de três meses, mas não pôde participar do júri do Festival de Cannes.

Panahi tem uma longa relação com o Brasil, por meio da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. Ele ganhou o prêmio do júri na 19.ª Mostra, com o citado "O Balão Branco", e participou como jurado da 22.ª edição. 

* (Com a agência AFP)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo