Filmes e séries

Ritmo de "O Gerente" obedece o compasso de um poema musicado

Divulgação
Letícia Spiller e Ney Latorraca em cena do filme "O Gerente" Imagem: Divulgação

SÉRGIO ALPENDRE

Colaboração para o UOL, na Mostra de Tiradentes

23/01/2011 12h16

A Mostra de Tiradentes se consolidou como o local para o cinema jovem. Se na edição de 2010 isso se confirmou, com uma série de filmes - a maioria no máximo interessante - de diretores jovens, o que acabou se tornando a seleção mais fraca das últimas edições, a de 2011 abre com o pé direito de um veterano: ninguém menos que Paulo Cezar Saraceni.

Seu último longa, "O Gerente", finalizado após um AVC (Acidente Vascular Cerebral), tem muitos dos ingredientes que os cineastas jovens que normalmente compõem a Mostra Aurora adorariam utilizar, mas raramente conseguem chegar perto de algo parecido.

Com uma história que prima pela simplicidade e está no limite do infame, que narra alguns casos de um gerente sedutor com mulheres diversas, que ficavam apaixonadas quando ele lhes beijava os dedos da mão, este novo Saraceni é jovial, travesso e despojado.

Seu ritmo, por exemplo, obedece o compasso de um poema musicado (o filme é baseado em Carlos Drummond de Andrade, e homenageia diversos outros poetas). Sua ousadia é a de um moleque diante de um brinquedo novo que lhe parece delicioso de quebrar, ou de deturpar seu funcionamento (a captação digital). E as atuações, sobretudo as de Ney Latorraca e Ana Maria Nascimento e Silva, esposa de Saraceni, que interpretam respectivamente o gerente adorador (comedor?) de dedos da mão e sua vítima preferida, exploram variações tremendas de tom, e quando atingem o tom mais alto se encontram com a louca versão de Pereio para um médico louco.

Saraceni, aos 76 anos, se revela muito mais desafiador e transgressor que qualquer jovem realizador brasileiro. Fez um filme de época em que só as coisas tocadas pelos personagens, ou em seu entorno mais próximo, respeitam a iconografia do ano em que se passa a história (fim dos anos 1950), e ainda faz uma piada com a atual situação da Petrobras como maior investidora do cinema brasileiro (um personagem diz algo mais ou menos assim: "empresa que no futuro será a grande patrocinadora do cinema brasileiro").

Inusitada mistura do estilo de Júlio Bressane com a história vampiresca de "Olhos de Vampa", de Walter Rogério, "O Gerente" ainda traz uma seleção de atores em papéis secundários: Othon Bastos, Nildo Parente, Paulo Cesar Pereio, Letícia Spiller, Simone Spoladore, Maria Lúcia Dahl, Djin Sganzerla, Nelson Xavier, todos integrados à proposta do diretor, que privilegia o amor ao cinema e à arte de filmar no lugar das tais contrapartidas exigidas pelas leis de incentivo, que atravancam a produção atual. Ou, se quisermos, podemos pensar na piada com a Petrobras como uma contrapartida. Seria bem irônico, no tom do filme.

Provavelmente "O Gerente" será atacado por motivos semelhantes aos dos ataques a "O Viajante", seu longa anterior. Mas seria novamente um equívoco grande desprezar uma coletânea de achados por causa de pequenas bobagens aqui e ali. Sejamos apaixonados como Saraceni, pelo cinema e pela vida.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo