Filmes e séries

Em Tiradentes, jovens cineastas mostram que ainda se saem melhor com curtas do que com longas

Divulgação
Cena do documentário ''Sertão Progresso'', de Cristian Cancino Imagem: Divulgação

SÉRGIO ALPENDRE

Colaboração para o UOL, de Tiradentes (MG)

Duas sessões desta quarta-feira (26/01) na 14ª Mostra de Tiradentes serviram para mostrar que os jovens realizadores ainda se saem melhor com curtas do que com longas (com a ressalva de que ainda há longas de jovens pela frente). Pensemos as sessões.

"Sertão Progresso", documentário integrante da Mostra Aurora e dirigido por Cristian Cancino, é mais um filme seguidor da fórmula "jornalismo com multiplicidade de opiniões". Mais uma vez essa multiplicidade significa vários matizes de contra e a favor, e são jogadas intercaladamente por toda a duração.

Trata-se de uma discussão sobre o projeto de transposição do Rio São Francisco para áreas pouco irrigadas do nordeste. A transposição já está em curso há algum tempo, e o filme invoca os contrários a ela e os que a defendem, passando por greve de fome, choradeira de atriz famosa, falas reacionárias dos suspeitos usuais, e culminando com cenas da vida nas beiradas do rio.

Com alguns depoimentos interessantes, dos quais se destaca o do jornalista e escritor Tavares Coelho, que argumenta a favor da necessidade de fazer com que o morador dessas regiões semi-áridas se adapte mais facilmente a elas, tornando sua vida mais fácil, e o faz usando a metáfora dos esquimós no Ártico, que se adaptam a um frio indescritível, o filme vai construindo essa polifonia meio sem criatividade, mas com imagens impressionantes do São Francisco.

Não é um bom filme, mas de certa forma a experiência de vê-lo é interessante. O maior destaque negativo está numa cena que nem é importante, mas mostra como Cansino recua diante das possibilidades mais fortes: um cabrito (ou algo parecido) é levado para o abate, mas o corte acontece no exato momento em que a porreta atingiria sua cabeça para o primeiro e cruel golpe. Corta para imagens de água, volta para imagens de um facão se preparando para esquartejá-lo, corta de novo. Se era para recuar diante de uma imagem mais forte, para que deixar a cena na montagem final?

Última sessão de curtas impressiona

A sessão derradeira da Mostra Foco, principal sessão de curtas em Tiradentes, revelou-se um primor de seleção (todos os filmes são bons, o que é bem raro), conjunto (todos lidam com a surpresa diante do que vemos e com o imprevisível) e qualidade (todos são bem filmados, com a exceção de um, que compensa sendo muito engraçado).

"A Peruca de Aquiles", de Paulo Tiefenthaler, lida com o problema do tráfico mostrando um playboy da zona sul carioca subindo ao morro para comprar cocaína. Ao chegar lá, é confundido com o policial, e só consegue sair quando prova que é ator de teatro.

"Fogo.doc", de Leandro Andrade, é um filme piada que sabe rir de si mesmo. Registro de um incêndio no Mercado Municipal de Florianópolis por um morador das redondezas, é um achado humorístico de parco valor cinematográfico, mas que, como curta, revela-se benvindo por sua graça, bom humor e disposição para cair no ridículo.


"O Hóspede", de Anacã Agra e Ramon Porta Mota, fazem uma ficção-científica carpenteriana no sertão da Paraíba. Nos agradecimentos, as referências todas que pipocam em cenas do filme: John Carpenter, Don Siegel, José Mojica Marins, Ray Bradbury e outros nomes caros aos fãs de ficção e horror. Uma pérola em preto e branco.

"Náufragos", de Gabriela Amaral Almeida e Matheus Rocha, unem humor com bizarrice e umas pitadas de suspense com muito talento, e de certa forma injetam novos ares ao cinema estranho. O programa de TV a que a simpática senhora assiste parece ter inspiração na sequência final de "Síndromes e um Século", de Apichatpong Weerasethakul, mas se encaixa melhor na trama, graças ao inusitado de tudo que acontece.

"Contagem", de Gabriel Martins e Maurílio Martins (que não são irmãos), impressiona pelo rigor de suas cenas em formato scope (ocupando toda a tela retangular do cinema) e pela montagem. Falar mais sobre o filme pode estragar a experiência do espectador. Quem viu se surpreendeu com a utilização criativa de um discurso já manjado: a multiplicidade dos pontos de vista.

"Praça Walt Disney" é mais um belo exemplo da safra pernambucana. Os diretores Renata Pinheiro (de "Superbarroco") e Sérgio Oliveira (de "Faço de Mim o Que Quero"), conseguem se superar mostrando Recife de uma maneira original e, mais uma vez, estranha, fechando uma das sessões mais loucas que já existiram em Tiradentes.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Roberto Sadovski
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
redetv
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
redetv
redetv
redetv
redetv
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Topo