Filmes e séries

"Eu me sinto uma alienígena no Oscar", diz a diretora de "Inverno da Alma"

Getty Images
Debra Granik, diretora do filme "Inverno da Alma", no Festival de Deauville (5/09/2010) Imagem: Getty Images

ALESSANDRO GIANNINI

Editor de UOL Cinema

28/01/2011 06h01

Vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Sundance de 2010, "Inverno da Alma" - que estreia nesta sexta (28) - é o grande azarão do Oscar 2011, com indicações a melhor filme, roteiro adaptado, atriz (Jennifer Lawrence) e ator coadjuvante (John Hawkes). Diferentemente de vários outros premiados em Park City, o filme de Debra Granik não vem com selo de qualidade do evento promovido por Robert Redford na pequena cidade do estado de Utah. Tem forma e conteúdo originais, além de uma abordagem da América profunda sem precedentes.

Em entrevista por telefone para o UOL Cinema, de sua casa em Nova York, Granik disse que um dia depois das indicações ao Oscar ainda é difícil digerir o que isso significa. "Eu me sinto como uma alienígena", afirma. "Venho de uma mentalidade marxista da costa leste [dos EUA]. De certa forma, é difícil participar desse tipo de coisa. Fico preocupada se as pessoas estão comendo, com o custo dos vestidos. Penso nos filmes em português que têm de disputar espaço com os blockbusters... Fico preocupada com cineastas de outros países ganharem mais espaço e tempo nos cinemas. Participar disso [do Oscar] é me envolver em algo que tem diferentes ramificações, vamos colocar dessa maneira."

ASSISTA AO TRAILER LEGENDADO DE "INVERNO DA ALMA"


Oriunda da família de um dos pioneiros das transmissões televisivas nos Estados Unidos, Granik tem berço, mas as influências dos pais a levaram para a esquerda e em direção aos movimentos feministas. Filha de um político de Washington e uma mãe que abraçou tardiamente o "Women's Lib", ela lapidou sua formação em Boston, onde estudou história do documentário e participou de movimentos libertários no início dos anos 1980. Na Universidade de Nova York, ela descobriu o neorealismo italiano e os dramas ingleses pós-guerra - ambos centrados em dramas pessoais, filmados em locações, com equipamentos leves, equipes reduzidas e elenco misto de atores e não-atores.

O primeiro curta-metragem, "Snake Feed" colocou-a em contato com o Sundance Institute, onde participou dos famosos Laboratórios de Roteiro. Granik plantou a semente de seu primeiro longa-metragem, "Down to The Bone", nessas oficinas em que os roteiros são lidos, relidos e analisados por cineastas e roteiristas profissionais. O personagem do filme, uma mulher que luta contra o vício para poder criar os filhos, deu a Vera Farmiga o impulso que sua carreira necessitava.

 


"Inverno da Alma" tem uma abordagem semelhante, embora o personagem principal, uma garota do sul do estado do Misouri que sai em busca do pai fugitivo, tenha sido inspirado em um romance de Daniel Woodrell. "Ele escreve histórias sobre essa região e seus personagens", conta Granik. "Eu e minha sócia, Anne Rosellini, lemos o romance e gostamos muito. Nós fizemos contato com o autor e ele gostou muito da ideia de adaptar o livro para o cinema. Gostamos muito dessa menina, de suas características, o quanto ela luta para sobreviver - sua força de vontade é atraente. Ela usa a cabeça e o coração para resolver as coisas."

Ree, personagem principal de "Inverno da Alma", é interpretada por Jennifer Lawrence, que tem sido indicada a praticamente todos os prêmios da temporada americana e tem grandes chances de levar o Oscar. Granik fez elogios ao trabalho de Lawrence, a quem conheceu por meio de testes de elenco. Segundo a diretora, ela vem de uma cidade no estado do Kentucky e tem uma pronúncia muito bonita do inglês americano. "Ela fez uma apresentação muito forte e entendeu realmemnte o roteiro, do que se tratava a história", disse. "O que é algo muito positivo porque, para muitas pessoas que vivem nas costas [oeste e leste], é muito difícil de entender aquele dialeto."


Granik disse a Lawrence que seria um trabalho muito duro, porque seria filmado em uma região inóspita e sem conforto próximo. E ela aceitou o desafio. "Eu pedi para ela fazer as coisas", explica a cineasta. "Realmente aprender a cortar lenha, a cuidar dos irmãos, a cuidar de cachorros, como alimentá-los, como caçar. Realmente aprender essas coisas para que ela pudesse fazê-las sem fingir. Essa era minha preocupação número um: que não parecesse uma menina da cidade que não soubesse fazer tudo aquilo. Queria que ela interagisse com o ambiente, o solo, a sujeira. E ela encarou a tarefa numa boa."

Embora tenha uma atração por dramas humanos, Granik alerta que talvez nem sempre faça filmes tão duros. "Por incrível que pareça, gosto muito de comédias", disse ela. "Sou muito atraída por indivíduos que usam o humor para sobreviver. Meu coração está voltado para pessoas que trabalham muito duro." Por enquanto, a cineasta e sua sócia ainda estão em busca de um novo projeto. "Temos lido muitos roteiros, mas ainda não nos decidimos."

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
Topo