Filmes e séries

Denise Fraga é confirmada em filme sobre a ditadura militar dirigido por Luiz Villaça

Eduardo Knapp/Folha Imagem
A atriz Denise Fraga posa para foto em São Paulo Imagem: Eduardo Knapp/Folha Imagem

ALYSSON OLIVEIRA

Do Cineweb

15/02/2011 12h11

“É um filme para falar dos efeitos da ditadura dentro da casa das pessoas”. É assim que o cineasta Luiz Villaça define seu novo trabalho, “Primavera Num Espelho Partido”, baseado no livro homônimo do uruguaio Mario Benedetti (1920-2009), autor de obras como “A Trégua” e “Correio do Tempo”. Publicado no início da década de 1980, o romance centra-se na figura de um guerrilheiro que vai preso e em sua mulher, que é obrigada a mudar de país em companhia do sogro.

Villaça conta que teve contato com o livro há cerca de três anos, quando começou a preparar o quadro “Te Quiero América”, exibido no Fantástico em 2007. “Foi uma descoberta tardia para mim, mas muito benvinda. Fizemos worshops sobre literatura latinoamericana, e o Benedetti foi um dos autores mais explorados. Gostei tanto que li tudo dele. Mas o que mais me chamou a atenção foi o ‘Primavera Num Espelho Partido’”, disse ao UOL Cinema.

Villaça, que trabalha no roteiro desde o ano passado, conta que já fez algumas modificações na história original. Ainda não sabe o que terá de adaptar quando começarem as filmagens. “Eu incluí o Brasil na história, por exemplo. O período sombrio das ditaduras militares é bem parecido em toda a América Latina. Não pretendo falar da tortura e torturadores, mas daqueles que foram torturados, das famílias que foram destruídas. Será como levantar os telhados e olhar dentro das casas”.

O filme será falado em português e espanhol, e é uma produção entre Brasil, Uruguai e Argentina, trazendo no elenco atores dos três países. Até o momento foi confirmada apenas Denise Fraga, mulher do diretor, que interpretará o principal papel feminino. “A maioria das pessoas conhecem a Denise das novelas e humorísticos da televisão. Mas ela é muito versátil, e uma excelente atriz dramática, que fez muito teatro e cinema.” Para conferir, basta ver sua performance no recente “As Melhores Coisas do Mundo”, de Laís Bodanzky, em que fez a mãe do protagonista, um adolescente.

Denise, que também é fã da obra de Benedetti, explica que o que mais a atraiu no livro foi a sutileza com que o escritor usa a política para falar das relações humanas. “Ele se vale do pequeno para abordar o grande. “É uma história que passa pela emoção cotidiana. Será um filme que usa a ditadura para falar dos sentimentos estabelecidos pelo exílio”.

A atriz viveu uma ex-guerrilheira com traumas deixados pela tortura na minissérie “Queridos Amigos” (2008), mas conta que as personagens são bastante diferentes. “Apesar do período histórico ser mais ou menos o mesmo, cada uma delas tem uma relação diferente com a ditadura. Mas, claro, as histórias se reverberam”.

Villaça trabalha no projeto há cerca de quatro anos e pretende filmar até o início de 2012. “Fiz ‘O Contador de Histórias(seu filme anterior, de 2009) com o ‘Primavera...’ na minha cabeça”. Ele explica que, inclusive, foi divulgar aquele filme no Uruguai, onde conheceu muitos fãs do Benedetti que ficaram empolgados com a adaptação do romance. Mas ele e Denise confessam que ainda falta captar uma parte do orçamento. “Ainda estamos tentando conseguir todo o dinheiro para fazer o filme, por isso estamos abertos a contatos de interessados”, conta a atriz.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Topo