Filmes e séries

"Trabalhar com Sônia Braga foi um sonho", diz protagonista de ''Lope''

Getty Images
Alberto Amman, astro de "Lope", participa de evento em Madri, na Espanha (22/11/2010) Imagem: Getty Images

ALESSANDRO GIANNINI

Editor de UOL Cinema

03/03/2011 12h03

Nascido em 1978, na Argentina, e criado na Espanha, Alberto Ammann tinha apenas um longa-metragem no currículo antes de ser convidado a fazer um teste para o papel-título de "Lope". Chamava-se "Celda 211", foi um sucesso em seu país de origem e valeu ao argentino um prêmio Goya de melhor ator revelação.

As diretoras de elenco que haviam trabalhado com Ammann no primeiro e único filme dele até aquele momento o sugeriram ao diretor Andrucha Waddington. "Na segunda etapa dos testes, interpretei com Pilar [López de Ayala] e Leonor [Watling], e Andrucha estava presente", disse ele em entrevista ao UOL Cinema, em um hotel da região Oeste de São Paulo, onde ficou hospedado. "Foi então que eu o conheci e simpatizamos imediatamente. Houve muito boa energia entre nós."

O fato de ser argentino não foi empecilho para a escolha de Ammann para o papel. O sotaque castelhano, aliás, era o menor dos problemas a se resolver nos 25 dias que faltavam para o início das filmagens. "Tinha que aprender a andar a cavalo bem", contou ele. "Porque eu sabia cavalgar, mas mal. [Tinha que aprender a] Usar espadas, fazer leituras de roteiro. Ou seja, era muito trabalho. "


Filho do escritor, jornalista e político Luis Alberto Ammann e Nélida Rey, Ammann nasceu em Córdoba e, com poucos meses, mudou-se com os pais para Madri. Em 1982, com o fim da ditadura, a família voltou para a Argentina. Mas o jovem Alberto ainda retornaria para a Espanha, a fim de terminar os estudos. Ele não pensava em iniciar carreira como ator, até que apareceu o teatro e depois o cinema. A ideia de interpretar Lope de Vega, a quem conhecia superficialmente dos estudos escolares, o deixou preocupado. Mas não o imobilizou.

Com três projetos engatilhados no cinema, um nos EUA, outro entre Brasil e Argentina e outro na Argentina, ele investe na carreira de ator. E celebra ter trabalhado ao lado de uma das atrizes mais celebradas do cinema brasileiro, Sônia Braga. Leia os principais trechos da entrevista.

UOL Cinema - Como foi a rotina de trabalho antes de fazer o filme?

Ammann - Todos os dias tínhamos trabalho de leitura de roteiro. Ou com todos os atores, com a maioria deles, ou com as atrizes - trabalho de mesa. Com Andrucha, fui à casa de Lope de Vega. Sempre estávamos em contato, falando muito. O ritmo nesses dias foi muito louco. Levantava de manhã, ia treinar com Ignácio Carreño, que era o especialista em equitação. Depois, ia para a esgrima. Saia de lá, ia comer. Depois ia para o treinamento de sotaque. Depois, para a leitura de roteiro com Andrucha. E no caminho de um lugar para o outro, ia lendo sobre a biografia Lope de Vega. Não tinha tempo. Dormia quatro horas. E não foram só os 25 dias de preparação. Foram também os 45 de rodagem. Ou seja, 70 dias dormindo quatro horas por dia. E de estar todos os dias com os livros, o roteiro, a espada e tudo.

UOL Cinema - O que você conhecia de Lope de Vega?

Alberto Ammann - Conhecia sobretudo suas obras, o que estudei. Um pouquinho na Universidade, na Argentina, em Córdoba, e no secundário. Suas três principais obras, seus sonetos, suas poesias. Da biografia, que foi sacerdote no fim da vida e que sempre esteve ligado à nobreza. Ou seja, que desejou a vida inteira entrar na nobreza, mas nunca haviam deixado. Por causa do seu currículo de mulherengo, jogador, festeiro. Até aí. Na Argentina, é como se fosse uma pincelada. Na Espanha, o estudam mais a fundo.

UOL Cinema - Na sua cabeça, como era incorporar este personagem, em um filme espanhol dirigido por um brasileiro?

Ammann - Antes de Andrucha me oferecer o personagem, esse pensamento estava disparado. Essa pergunta: Onde vamos parar? Porque não conhecia Andrucha, porque o cinema brasileiro lamentavelmente não chega até a Espanha. Depois, investiguei, e quando soube quem era, pensei isso. E quando ele me ofereceu o personagem, me pareceu justo. Mas esses pensamentos duraram pouco. Esse café com Andrucha foi muito bom. Eu perguntei a ele que filme seria esse se trabalhássemos juntos. E ele me falou que queria colocar Lope perto da gente jovem, que os jovens pudessem se identificar com um rapaz que chega da guerra, não sabe o que fazer, apaixona-se imediatamente pelo teatro, por duas mulheres de uma vez só, que briga por esse sonho e se joga. Um pouco trazer o Lope dos céus e colocá-lo na terra. Isso me ajudou a baixar o nível de exigência. Não estamos contando a história de Lope de Vega. Esqueçamos dele. Por isso, o chamaremos de Lope. Estamos contando a história de um jovem daquela época que aparece e está em uma situação determinada, limite. E empenha-se em ir adiante, com seus problemas e suas aventuras.

UOL Cinema - Sônia Braga faz o papel de sua mãe no filme. Qual a sensação de trabalhar com uma das grandes atrizes do cinema brasileiro, além de um dos nossos símboloso sexuais interpretando uma senhora?

Ammann - Eu era apaixonado por Sonia Braga quando tinha 8 ou 9 anos. E meu pai, os dois. Víamos os filmes dela em Córdoba, na Argentina. para mim, foi um sonho trabalhar com ela. Ela é maravilhosa. No primeiro dia, quando nos conhecemos foi como se fossemos filho e mãe. É uma mulher incrível, belíssima. Além disso, tem essa coisa de atriz, de estar completamente a serviço da história, do personagem, do que estamos contando. Tem atores que não gostam de muita maquiagem porque pode estragar sua imagem. E ela não teve essa vaidade. E eram horas de processo. Essas coisas que eu vejo e digo isso tem a ver com ser ator. esquecer da imagem própria.

UOL Cinema - Você tem outros projetos em mente?

Ammann - Sim, adoraria. A visão vai além de trabalhar em outras línguas. Quero crescer artisticamente, como ator, e para isso tenho que aprender idiomas, participar de trabalhos que me produzam medo e insegurança. Isso é alimento rico.

UOL Cinema - E o que tem de projetos?

Ammann - Tenho um projeto em inglês. Uma coprodução brasileira e argentina. Não posso falar nada porque ainda não há nada concreto. Li o roteiro. Mas não sei em que fase está, acho que ainda está tomando forma. Não tem data de início de rodagem, nem nada.

UOL Cinema - Com Walter Salles?

Ammann - (Risos) Não, não. Adoraria trabalhar com ele, mas não é o caso. E tem também um projeto na Argentina. Mas todos estão em desenvolvimento. Por isso tenho que guardar segredo.
 

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Topo