Filmes e séries

Filmes sobre o movimento negro e sobre a obra de Bergman abrem o É Tudo Verdade

Reprodução
Imagem do documentário ''The Black Power Mixtape'', de Göran Olsson Imagem: Reprodução

Da Redação

17/03/2011 12h40

O Festival de Documentários É Tudo Verdade divulgou nesta quinta-feira (17) os filmes que abrirão o evento, marcado para acontecer entre 31 de março e 10 de abril em São Paulo e entre 1º e 10 de abril no Rio. As sessões de abertura são fechadas para convidados, mas estarão abertas ao público ao longo da programação.

Na capital paulista, o É Tudo Verdade começa com “Black Power Mixtape” (2011), no dia 31, às 20h30, no Cine Livraria Cultura. Dirigido por Göran Hugo Olsson, o filme conta a história do movimento negro dos EUA a partir do acervo de uma TV sueca. O material apresenta comentários de líderes da luta pelos direitos civis nos EUA dos anos 60 e 70.

Já no Rio, o filme escolhido é ‘’...Mas o Cinema é Minha Amante’’ (2010), acompanhado pelo curta ‘’Imagens de Playground’’ (2009), dirigidos pelo cineasta e crítico sueco Stig Bjorkman, em homenagem à obra do diretor Ingmar Bergman. A exibição acontece no dia 1º de abril, às 20h30, no Unibanco Arteplex-Botafogo.

Em “...Mas o Cinema é Minha Amante”,   cineastas contemporâneos como Lars Von Trier, Martin Scorsese e Woody Allen comentam as obras de Bergman que mais os marcaram.  Já  “Imagens do Playground” reúne cenas inéditas do cotidiano e da carreira do cineasta, incluindo registros privados feitos pelo próprio Bergman.

Sessões gratuitas

O festival acontece em 5 salas em São Paulo: Cine Livraria Cultura, Centro Cultural Banco do Brasil, Cinemateca Brasileira, Reserva Cultural e Cinemark Eldorado. No Rio, são sete salas: Unibanco Arteplex, Centro Cultural Banco do Brasil, Instituto Moreira Salles, Estação Museu da República, Ponto Cine Guadalupe, Cinemark Downtown e Auditório BNDES. Todas as sessões do É tudo verdade são gratuitas.

Desta quase uma centena de documentários, sete longas brasileiros e nove curtas nacionais concorrem, respectivamente, aos prêmios de CPFL Energia/É tudo verdade de R$110 mil e R$10 mil.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Topo