Filmes e séries

"Tropa de Elite 2" é o grande vencedor dos Melhores do Ano do CineSesc

Divulgação
Cena do filme "Tropa de Elite 2" Imagem: Divulgação

EDU FERNANDES

Colaboração para o UOL

06/04/2011 23h16

O fenômeno de bilheterias "Tropa de Elite 2" firmou mais uma conquista no Festival Melhores do Ano do CineSesc. O filme levou os prêmios de melhor direção (José Padilha), roteiro (Braulio Mantovani), ator (Wagner Moura) e filme. O público e a crítica concordaram em quase todas as categorias, exceto filme. Neste caso, a crítica preferiu "Viajo Porque Preciso, Volto Porque Te Amo".

Os prêmios foram entregues na noite de quarta (6) em cerimônia sediada no CineSesc. A bem-humorada mestre de cerimônias foi a atriz Fabíola Nascimento, que teve momentos de sua carreira relembrados na tela do famoso cinema. Cenas de "Estômago" e do curta "O Bolo" foram projetados e arrancaram risos do público.

Outro momento alegre da noite foi a entrega do prêmio de melhor documentário na escolha do público para "Dzi Croquettes". Os membros remanescentes do grupo de teatro que é tema do filme subiram ao palco e foram muito aplaudidos pelos presentes. Elke Maravilha, madrinha dos Croquettes, também subiu ao palco e presenteou a apresentadora com um selinho. Na escolha dos críticos, "Terra Deu, Terra Come" foi o melhor documentário.

Público e crítica concordaram nas categorias atriz e fotografia. "Os Famosos e os Duendes da Morte" levou a premiação técnica e Ana Lúcia Torre foi eleita a melhor atriz, por "Reflexões de um Liquidificador".

  • Cena do filme "Vincere", eleito pelo público e pela crítica como o melhor do ano

Entre os filmes estrangeiros, o ator Ricardo Darín levou por "O Segredo dos Seus Olhos" pelo público e pela crítica. Para atriz, houve divisão: Brenda Blethyn ("London River") foi a favorita do público e Giovanna Mezzogiorno ("Vincere") foi a eleita da crítica.

A produção italiana "Vincere" foi a grande vencedora nas premiações estrangeiras. Além de atriz, levou por melhor filme e melhor direção, em ambas categorias as escolhas do público e da crítica coincidiram.

Depois de terminada a entrega dos troféus, foram convidados ao palco o diretor Gustavo Pizi e dois atores do filme "Riscado". A produção foi a escolhida para abrir o Festival Melhores do Ano do CineSesc, que exibe os melhores títulos que passaram pelos cinemas brasileiros em 2010. Para ver a programação, entre no site oficial.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo