Filmes e séries

Festival do Recife comemora 15 anos com homenagens a Pelé, Camila Pitanga e Wagner Moura

Reprodução
Banner comemoratico do Cine PE 2011 Imagem: Reprodução

THIAGO STIVALETTI

Colaboração para o UOL

30/04/2011 11h00

Ele não tem o peso político do Festival de Brasília (43 edições), nem o dinheiro do novato Festival de Paulina (3 edições). Mas, ao longo dos seus 15 anos, o Cine PE - Festival de Cinema do Recife conseguiu se firmar como vitrine importante do cinema brasileiro - em especial daqueles que ficam prontos no primeiro semestre do ano.

A primeira edição, em 1997, só teve curtas-metragens. A segunda, em 1998, consagrou dois dos filmes mais importantes da retomada: "A Ostra e o Vento", de Walter Lima Jr., e "Os Matadores", primeiro longa de Beto Brant. Em 2000, dois novatos promissores saíram premiados com seus primeiros curtas de ficção: Fernando Meirelles, com "E no Meio Passa um Trem", e Heitor Dhalia (de "O Cheiro do Ralo") com "Conceição".

O Cine PE também tem o mérito de haver premiado as melhores diretoras da retomada. Tata Amaral foi a grande vencedora da edição de 2000 com "Através da Janela". Laís Bondanzky levou o Troféu Calunga de melhor filme duas vezes, por "Bicho de 7 Cabeças" (2001) e "As Melhores Coisas do Mundo" (2010). E Eliane Caffé consagrou-se em 2003, com "Narradores de Javé".

Cauã e Leandra Leal

Acima de tudo, o festival tem duas grandes qualidades em relação aos concorrentes. A plateia é uma das mais participativas do circuito de festivais brasileiros, lotando o Teatro Guararapes, aplaudindo, vaiando, rindo e se emocionando a cada filme. E a seleção de curtas é bastante abrangente e faz uma boa representação da nova safra nacional - neste ano, serão 29 curtas.

TRAILER DO FILME ''ESTAMOS JUNTOS"

Nesta 15ª edição, que começa neste sábado, a Competição de longas reúne títulos pouco aguardados no circuito - com exceção de "Estamos Juntos", de Toni Venturi, que deve concentrar os holofotes com Cauã Reymond e Leandra Leal no elenco.

O ano será mais das celebridades, com três grandes homenageados: Pelé, tema do documentário "Cine Pelé", que será exibido na noite de abertura neste sábado (30); e os atores Wagner Moura, na esteira do sucesso de "Tropa de Elite 2", e Camila Pitanga.

O festival se encerra no próximo dia 6 de maio, com o anúncio dos premiados e a exibição de um documentário inédito, o pernambucano "O Rochedo e a Estrela", de Kátia Mesel.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
Topo