Filmes e séries

Diretor de "Estamos Juntos" quer mostrar São Paulo "linda e horrorosa"

Divulgação
O diretor Toni Venturi concede entrevista durante o Festival de Recife 2011 Imagem: Divulgação

THIAGO STIVALETTI

Colaboração para o UOL, de Recife

06/05/2011 18h35

Toni Venturi ainda não conseguia controlar a ansiedade no Cine PE, o Festival do Recife. Na última quarta, a sessão de seu filme, "Estamos Juntos", foi cancelada em cima da hora por conta do alerta de chuvas fortes na cidade. "Claro que gera uma ansiedade. O processo de um filme é muito longo. A ideia pra esse filme surgiu há quase dez anos", conta, em entrevista exclusiva ao UOL Cinema.

"Estamos Juntos", que estreia no dia 17 de junho em 40 salas do país, faz um retrato sensível de Carmem (Leandra Leal), uma jovem médica em São Paulo que se envolve num trabalho voluntário com o movimento dos sem-teto bem no momento em que descobre ter uma doença fatal. Numa cadência sutil, o filme intercala o drama pessoal de Carmem com o drama dos desvalidos que não têm onde viver.

"Quis mostrar esse recorte jovem e contemporâneo de São Paulo, uma cidade que consegue ser ao mesmo tempo linda e horrorosa", diz Venturi. Nas primeiras versões da história, Carmem seria uma bancária. Mas isso dificultava a "colisão dos mundos" dos diversos personagens. Carmem virou então médica. "O universo dos médicos é muito explorado no cinema e na TV americanos, mas pouco no cinema brasileiro", diz.

Cauã gay

  • Divulgação

    Leandra Leal e Cauã Reymond em cena de "Estamos Juntos", filme de Toni Venturi

O elenco ainda tem Dira Paes como a líder dos sem-teto e Cauã Reymond como um DJ, o amigo gay de Carmem. Para se preparar para o papel, Cauã frequentou as baladas gays de São Paulo.

No novo filme, Toni consolida um método de sua obra: o de usar a experiência nos documentários para construir seus filmes de ficção. Depois de um documentário sobre a militância dos anos 60, ele rodou a ficção "Cabra Cega". Em seguida, fez "Dia da Festa", documentário sobre os sem-teto de São Paulo. E essa vivência tornou-se parte importante na ficção de "Estamos Juntos".

A expectativa para o lançamento é grande. "Uma obra inédita, não adaptada de um livro tem sempre o risco de cair nessa vala comum do cinema contemporâneo", diz, ao mesmo tempo receoso e confiante.

Venturi faz mistério sobre o próximo projeto, mas adianta que fará novamente a dobradinha do documentário que depois vai inspirar uma ficção, dessa vez rodado na Amazônia. "Eles terão de novo essa pegada existencial", diz.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Topo