Filmes e séries

"A Árvore da Vida", Sean Penn e Tilda Swinton são favoritos às Palmas em Cannes

Vittorio Zunino Celotto/Getty Images
O ator Sean Penn e o diretor Paolo Sorrentino posam para fotos antes da sessão de "This Must Be The Place". Penn chegou mau humorado à entrevista coletiva Imagem: Vittorio Zunino Celotto/Getty Images

THIAGO STIVALETTI

Colaboração para o UOL, de Cannes

22/05/2011 11h32

Tudo pode acontecer na premiação desta noite em Cannes, mas a acolhida da crítica durante o festival e o perfil do júri presidido por Robert DeNiro dão algumas pistas de como pode ser a premiação de hoje à noite.

Palma de Ouro - alguns filmes se destacaram durante o festival, mas o gosto americano de DeNiro pode levar a premiar três filmes. O mais cotado é "A Árvore de Vida", de Terrence Malick, que provocou as maiores reações do festival - muitos amaram, outros odiaram. Mas sua reflexão sobre a ligação entre o homem e o Universo e a busca do sagrado na vida são temas universais, que podem comover todos os membros do júri.

Correm por fora: outros fortes candidatos à Palma, que também podem levar prêmios secundários (o Grande Prêmio do Júri, o Prêmio do Júri ou o Prêmio de Melhor Direção): "This Must Be the Place", do italiano Paolo Sorrentino, com sua mensagem de tolerância e perdão; "Drive", filme noir muito original dirigido em Hollywood por um dinamarquês, Nicholas Winding Refn; "We Need to Talk About Kevin", filme britânico da escocesa Lynne Ramsay; e o austríaco "Michael", que trata com austeridade de um tema em voga, a pedofilia.

Palma de melhor ator - Sean Penn colheu elogios unânimes como o ex-roqueiro decadente a meio caminho entre Ozzy Osbourne e Robert Smith em "This Must Be The Place", tornando-se o favorito.

Correm por fora: Ryan Gosling, por sua atuação contida e quase sem falas em "Drive" - e que lembra de longe o outsider vivido por DeNiro em "Taxi  Driver"; o francês Jean Dujardin como o astro decadente do cinema mudo em "The Artist"; e o francês Michel Piccoli como o Papa em depressão do italiano "Habemus Papam", de Nani Moretti. Mas Picccoli tem uma desvantagem: já ganhou a Palma uma vez, em 1980, pelo filme "Um Salto no Escuro", de Marco Bellocchio.

Palma de melhor atriz - É o prêmio mais previsível da noite. Num ano de poucas atrizes que brilharam em Cannes, nenhuma atuação impressionou mais o público em Cannes do que Tilda Swinton como a mãe que não entende a crueldade do filho no britânico "We Need to Talk About Kevin". Há quatro anos, Tilda já ganhou o Oscar como a advogada sem escrúpulos de "Conduta de Risco". Essa é a sua grande chance na Croisette.

Correm por fora: a belga Cécile de France como a moça que desenvolve sentimentos maternais pelo menino de "Garoto de Bicicleta", dos irmãos Dardenne; e a japonesa Tôta Komizu no filme "Hanezu", de Naomi Kawase.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
Topo