Filmes e séries

Com filmes que falam de relações familiares, os Coppola são opção de DVD

18/06/2011 07h00

Se a ideia é ficar em casa e curtir um DVD, Sofia e Francis Ford Coppola têm dois filmes que chegaram ao mercado há pouco tempo. Ambos foram avaliados pelo crítico de cinema Sérgio Alpendre.

Sofia traz “Um Lugar Qualquer”, filme que ganhou o grande prêmio do último Festival de Veneza. A história é sobre um ator famoso (Stephen Dorff) que se vê obrigado a passar algum tempo com sua filha pré-adolescente (Elle Fanning). A diretora volta a usar uma moça loira para falar do vazio que todos têm dentro de si.

Francis Ford Coppola discute relações fraternais em “Tetro”. Filmado em preto e branco, a produção conta a trajetória de Bernie, que viaja a Buenos Aires para encontrar-se com seu irmão, um escritor frustrado.

Leia trechos das críticas de Alpendre.

"Um Lugar Qualquer"
Fica evidente que é dela mesma que o filme está falando. O disfarce de colocar um protagonista masculino (interpretado por Stephen Dorff) torna tudo apenas mais falso, caindo, mesmo que sem querer, dentro do esquema universal das coisas que a diretora queria criticar.
"Tetro"
A questão essencial está em uma das últimas falas do personagem título a seu irmão Bennie: "não olhe para a luz". Referia-se à luz dos carros, que iam de encontro ao irmão numa avenida movimentada. Mas na realidade parece dizer: "não busque o sucesso, não procure a face brilhante, glamurosa das coisas, procure a essência".

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo