Filmes e séries

Bilheteria de "Transformers 3" garante sobrevida aos filmes 3D

EDU FERNANDES

Colaboração para o UOL

A marca de quase US$ 400 milhões arrecadado por “Transformers 3” em seu fim de semana de estreia é impressionante. Acima de qualquer recorde a ser batido, a performance do filme nas salas 3D dá novo ar para os títulos que usam esse tipo de projeção.

Da renda captada na América do Norte, cerca de 60% do dinheiro foi obtido com ingressos de salas 3D. Os quatro maiores lançamentos do verão americano (“Piratas do Caribe 4”, “Kung Fu Panda 2”, “Lanterna Verde” e “Carros 2”) não conseguiram sequer ultrapassar 50% da renda em 3D.

Antes da estreia de “Transformers 3”, analistas do mercado começavam a fazer previsões de que o formato 3D já estava saturado e que o público não estava mais interessado em pagar ingressos mais caros para assistir a filmes que saltam da tela.

Essa triste realidade de mercado era mais evidente nas rendas da América do Norte, uma vez que as plateias de países emergentes (especialmente Brasil, Rússia e China) ainda mostravam-se muito empolgadas pelas projeções 3D.

  • Cena do filme "Avatar"

A suposta crise do suporte é especialmente preocupante porque o 3D foi visto pela indústria como a tábua de salvação do cinema, que vê os números de ingressos vendidos cair ano a após ano. Quando “Avatar” estreou e 85% de sua bilheteria vinham de salas 3D, os executivos supunham que tinham achado a arma infalível para vencer a guerra conta a pirataria.

A partir daí, em diversas oportunidades, a estereoscopia foi explorada como uma muleta para tentar salvar a bilheteria de filmes de baixa qualidade, como “O Último Mestre do Ar” e “Fúria de Titãs”. Isso era feito em conversão para o formato 3D durante a pós-produção. O resultado foram filmes que não tinham o espetáculo visual oferecido por “Avatar”.

Com “Transformers 3”, o cinema 3D ganha novo fôlego, mas os resultados futuros é que dirão o quanto o formato ainda suporta. Títulos como “Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 2” e “Os Três Mosqueteiros” - que estreiam dia 15 de julho e 14 de outubro, respectivamente - darão mais indícios sobre o futuro das projeções 3D.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
redetv
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
redetv
redetv
redetv
redetv
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
Topo