Filmes e séries

Ator de Capitão América diz que sente enorme insegurança ao ser rotulado como símbolo sexual

Da Redação

24/07/2011 17h19

O ator Chris Evans, que vive o Capitão América nas telonas, disse à revista "US Weekly" que é difícil ser rotulado como um símbolo sexual perto de atores como Robert Downey Jr. (O Homem de Ferro) e Chris Hemsworth (Thor), que também fazem parte de "Os Vingadores".

"Eu não me considero um símbolo sexual.  Muitos atores são sobrecarregados por uma forte insegurança, e eu não sou exceção. Estou me afogando nisso", disse ele.


Até atuar como Capitão América, Chris Evans fazia filmes menores e em entrevista recente à Reuters, admitiu que teve medo de se tornar muito conhecido do dia para a noite. Em "O Quarteto Fantástico", Evans interpretou o Tocha Humana.

À "Us Weekly", o ator também disse que se apoiou em Chris Hemsworth (Thor), outro ator que não tinha muita experiência em filmes grandiosos. Evans ainda afirmou que também contou com a ajuda do experiente Robert Downey Jr. "Ele foi ótimo. Ele é tão positivo e tão disponível, e eu não sabia o que esperar".

 

TRAILER DO FILME "CAPITÃO AMÉRICA: O PRIMEIRO VINGADOR"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo