Filmes e séries

Veto a "Serbian Film" usa argumentos que não estão visíveis no filme

Divulgação
Pôster internacional do filme "A Serbian Film" Imagem: Divulgação

EDU FERNANDES

Colaboração para o UOL

01/08/2011 19h58

Depois de mais de uma semana de polêmica, “A Serbian Film” continua impedido de ser exibido no Brasil. Até agora não há notícia de que as autoridades (legislativas ou judiciárias) envolvidas no veto tenham assistido ao filme, apesar de a única cópia em película ainda estar apreendida.

Segundo Cesar Maia, ex-prefeito do Rio de Janeiro, primeira cidade em que o filme foi proibido de ser projetado, não havia necessidade de assisti-lo para que a proibição se efetuasse.

No entando, depois de conferir exatamente do que se trata “A Serbian Film”, os argumentos encontrados nos textos da juíza Katerine Jatahy Nygaard (RJ) e da desembargadora Gilda Maria Dias Carrapatoso (MG) caem por terra.

O longa conta a história de um ex-ator pornô que aceita fazer mais um trabalho para conseguir o dinheiro que irá garantir o futuro de sua esposa e filho. Ele não sabe do que se trata o filme que irá fazer quando assina o contrato. Tarde demais, o protagonista percebe que está em uma produção que testa todos os limites da violência e da sexualidade.

TRAILER DO FILME "SERBIAN FILM - TERROR SEM LIMITES"
Atenção, cenas fortes

Aviso: Para ser o mais eficiente possível, a comparação abaixo adianta alguns elementos importantes do enredo de “A Serbian Film”.

O QUE DIZEM AS AUTORIDADESO QUE MOSTRA O FILME
[O filme é uma] “verdadeira apologia a crimes contra criança e é um incentivo para práticas de pedofilia” (RJ)Os únicos personagens que não se incomodam com práticas sexuais e violentas que envolvem criança são os vilões. Desde o começo do filme o protagonista se mostra totalmente contrário a ideia de ter uma menina de aparentemente 12 anos presente nos momentos em que ele grava cenas de sexo. Em nenhum momento a atriz-mirim é mostrada no mesmo quadro que atores nus, ela é colocada na mesma cena por truques de edição.
“Não se pode admitir que (...) cenas de extrema violência física e moral, inclusive, utilizando recém-natos sejam levadas ao grande público”. (MG)O recém-nascido é claramente um boneco. Mesmo assim, não é mostrado o abuso sexual, é apenas sugerido.
[As cenas] “podem provocar reações adversas, às vezes, em cadeia, em pessoas sem equilíbrio emocional e psíquico adequado para suportar tais evidências de desumanidade”. (MG)É para esse tipo de situação que existe no Brasil a classificação indicativa. Além de informar a idade do público que pode assistir a uma determinada produção, é explicado o tipo de assunto abordado (cenas de sexo, violência e uso de drogas, entre outros).
[O Estatuto da Criança e do Adolescente] "veda expressamente a filmagem, reprodução, divulgação por qualquer meio de cenas de sexo explícito ou pornográfico envolvendo crianças ou adolescentes". (RJ)Não há sequer cenas de sexo explícito entre adultos em “A Serbian Film”. Todas as cenas de sexo que, na história, envolvem personagens menores de idade foram feitas com o uso de robôs ou próteses. As crianças só são vistas nas cenas por truques de edição.
"Não se pode admitir que (...) um pretenso manifesto político exponha de tal forma a degradação do ser humano." (RJ)A juíza só poderia fazer qualquer juízo de valor do filme depois de assisti-lo. Não se pode dizer se o manifesto é válido ou não em uma obra cujo conteúdo se desconhece.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo