Filmes e séries

"Estou sempre desistindo", diz Selton Mello ao se comparar com personagem em crise do filme "O Palhaço"

Divulgação
O ator e diretor Selton Mello durante coletiva de imprensa do filme "O Palhaço", em São Paulo (24/10/11) Imagem: Divulgação

NATALIA ENGLER

Do UOL, em São Paulo

24/10/2011 19h02

Depois de estrear no Festival de Paulínia em julho, com sessões esgotadas, e levar quatro prêmios (direção, ator coadjuvante para Moacyr Franco, roteiro e figurino), “O Palhaço”, segundo longa de Selton Mello como diretor, chega a São Paulo nesta segunda-feira (24), com pré-estreia na Mostra Internacional de Cinema.


Selton também assina o roteiro do filme, junto com Marcelo Vindicatto, repetindo a parceria de “Feliz Natal” (2008), primeira experiência do ator na direção de longas-metragens.

Em “O Palhaço”, além de dirigir, Selton também interpreta o papel do protagonista, Benjamim, um palhaço de circo que se sente deprimido e começa a questionar se aquela é sua verdadeira vocação.

“Costumam me perguntar se eu passei por uma crise. Na verdade, eu trabalho desde os oito anos de idade –tenho 38, são 30 anos fazendo isso – e eu digo que essa crise eu tenho há 30 anos. Há 30 anos eu acho que eu deveria desistir e há 30 anos eu descubro algo lindo, que me põe pra frente. Eu estou sempre desistindo, não tem a ver com momento em que veio esse filme”, disse Selton durante a coletiva de imprensa do filme.

  • Divulgação

    O ator Paulo José participa da coletiva de imprensa do filme "O Palhaço", de Selton Mello


Uma parte do encanto de “O Palhaço” está na química entre Selton e Paulo José, que interpreta o pai de seu personagem, também palhaço e dono do circo. Os dois são vizinhos no Alto da Gávea, no Rio, e se conhecem desde 1991, quando Selton participou de uma montagem de “Romeu e Julieta” no Tablado, ao lado da filha de Paulo, Ana Kutner, mas nunca tinham trabalhado juntos.

“Tenho muita admiração pelo Selton. Acho o mais talentoso da geração dele. Opera em todas as pontas. Escreve, tem argumento, tem roteiro, tem produção, direção, atua e ainda monta o filme”, elogiou Paulo.

“O Selton finge ser bonzinho, mas tem por dentro um bicho. Ele não é obsessivo, mas é teimoso, determinado. Diretor não tem que ser bonzinho. Diretor bonzinho é uma porcaria. Tem o dever, a obrigação, de ser duro. O Selton é intransigente. Tem que ser”, contou o ator, ao ser questionado sobre como é ser dirigido por Selton.

Selton volta ao ar em novembro com a série “A Mulher Invisível”, da Globo, em que também assina a direção de alguns episódios, mas ainda não tem novos projetos para o cinema. “Como diretor, tem que ser algo que eu queira muito dizer, porque vai demorar três anos – ou mais – entre a ideia e a realização. Foi assim no ‘Feliz Natal’ e foi assim nesse. Então, eu estou esperando esse insight”, diz.

Em entrevista ao UOL Cinema após a coletiva, Selton falou sobre o processo de realização de “O Palhaço” e comentou o que o move como cineasta. “O Palhaço” estreia no circuito comercial nesta sexta-feira (28).


UOL - Como surgiu a ideia para “O Palhaço”?
Selton Mello -
Vontade de falar da nossa vocação, do que a gente escolhe para fazer na vida. E o tempo todo a gente está colocando em xeque essa escolha. Vontade de falar disso, de destino, da nossa estrada. Veio daí o desejo de construir esse filme.

UOL - Era um desejo de mostrar esse questionamento a partir do ponto de vista do artista?
Selton -
Do artista, como princípio, porque é mais genuíno – quando eu falo de um artista, eu falo de uma maneira mais genuína, porque eu sou um – mas o dilema é universal. Poderia ser um filme passado numa redação de um jornal, que conta a história de um jornalista jovem, filho de um grande editor chefe, e ele está achando que não está fazendo aquilo bem. Seria o mesmo filme, em outro ambiente. A figura do palhaço me pareceu a mais lírica. Achei que era a possibilidade do filme ficar mais rico cinematograficamente.

UOL - O filme tem muitas referências pessoais – tem seu irmão, Danton, que faz uma participação, tem a sua cidade, Passos. É uma história pessoal?
Selton -
É um dilema muito pessoal. Não é um filme autobiográfico, mas é um dilema que me toca. E é exatamente por isso que toca as pessoas também. Porque quando você faz algo com verdade, essa verdade chega às pessoas. Eu sei do que eu estou falando ali. Acho que é por isso que chega tão claramente assim nas pessoas.

UOL - Você ofereceu o papel do Bejamim ao Wagner Moura e ao Rodrigo Santoro antes de decidir assumi-lo. Por que não quis fazê-lo logo de saída?
Selton -
Por um momento eu achei que eu deveria passar essa bola para a frente, que eu deveria cuidar só da direção. Mas quando eles recusaram, não puderam fazer, eu falei “Então eu vou fazer. Eu escrevi esse roteiro junto com o Marcelo Vindicatto, eu sei o que eu quero desse personagem, eu sei como eu quero que ele se comporte. Vai ser até mais fácil eu fazer”. E foi realmente. Eu sabia qual era o tom desse personagem. Então, eu botava a roupa e fazia. Eu estava ligado mesmo na direção. Fazer o Benjamim era fácil. Claro que a parte do palhaço, do Pangaré, exigiu ensaio para descobrir aquelas gags físicas. Aquilo foi uma pesquisa com o palhaço Cochicho [do circo Beto Carreiro], que foi quem nos treinou, quem nos ensinou. Mas o Benjamim, que é a maior parte do filme, eu sabia exatamente como eu queria que ele se comportasse. Foi simples.

UOL - Você e o Paulo José se conhecem há muito tempo. Já tinham trabalhado juntos antes? Como foi trabalhar com ele?
Selton -
Não. É a primeira vez que trabalhamos juntos. Foi lindo. Ele é um dos maiores atores brasileiros, um cara adorável de se lidar. Trabalhar com o Paulo foi ótimo. Ele foi muito generoso com os outros atores, sem ser professoral.

UOL - Pesou para você o fato de dirigir um ator tão experiente?
Selton -
No começo sim. Eu me senti um pouco intimidado de dirigir o Paulo. Depois, essa barreira vai se quebrando e tudo vai ficando bacana.

TRAILER DE "O PALHAÇO"


UOL - Como ator, você já fez filmes mais populares, como “A Mulher Invisível” (2009) e também mais difíceis, como “O Cheiro do Ralo” (2007). O que te interessa fazer como diretor?
Selton -
Eu vou dizer o que eu queria fazer com “O Palhaço”. Eu tinha um interesse muito grande em fazer uma coisa que eu não vejo as pessoas fazendo – um caminho do meio. Eu acho que ele é um filme popular, de claro entendimento, que todo mundo ri, se emociona, mas cheio de camadas sensíveis de entendimento. E é refinado cinematograficamente e na carpintaria do roteiro também. É um filme que não é explicativo, você não fica explicando o tempo todo o que está acontecendo. Nada é explicativo, mas tudo é entendido. Então, é um filme claro, mas refinado também. Meu sonho era um caminho do meio, um filme que fosse visto por muita gente, mas sem perder esse refinamento estético.

UOL - É esse o tipo de filme que você pretende continuar fazendo?
Selton -
Eu acho que sim. Vamos ver como ele se comporta. Já está indo muito bem. O público adora, as reações são lindíssimas, tenho recebido um retorno muito bonito. Mas vamos ver que próximo assunto é esse de que eu vou falar e como ele vai se configurar.

UOL - Quais diretores inspiram e influenciam seu trabalho?
Selton -
Eu adoro Kubrick, mas acho que não tem nada de Kubrick nesse filme. Adoro Chaplin, Scorsese. E diretores com quem eu trabalhei e que foram muito importantes na minha formação são o Guel Arraes e o Luiz Fernando Carvalho. São dois diretores que me dirigiram, com quem eu aprendi muito. Eles fazem parte de uma forma muito importante da minha formação como diretor.

UOL - Você sentiu alguma diferença entre dirigir “Feliz Natal” e “O Palhaço”?
Selton -
Eu me senti mais livre, mais seguro, mais tranquilo para fazer. Porque o primeiro tem essa coisa “preciso fazer um filme”. O segundo já vem mais tranquilo.

UOL - Você divide a direção da série “A Mulher Invisível”. É muito diferente o trabalho de direção no cinema e na TV?
Selton -
É. A grande diferença é o tempo. É mais rápido na TV. Exige um exercício mental maior para resolver as coisas de uma maneira mais rápida.

 


O PALHAÇO

Seg. (24), às 19h50, no Cine Livraria Cultura 1 (Conjunto Nacional - av. Paulista, 2073, Cerqueira César, tel. 0/xx/11/3285-3696)

Qua. (26), às 18h40, no Frei Caneca Unibanco Arteplex 1 (shopping Frei Caneca - r. Frei Caneca, 569, 3ºpiso, tel. 0/xx/11/3472-2362)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo