Filmes e séries

"Não é à toa que Marighella virou um mito", define sobrinha do guerrilheiro, que dirige documentário sobre ele

ALYSSON OLIVEIRA

Do Cineweb

30/10/2011 12h00

“O Carlos Marighella é uma figura complexa. Não é à toa que virou um mito. E todos, até aqueles que não concordavam com os pensamentos dele, o respeitam”. É assim que a diretora Isa Grispum Ferraz define o personagem de seu documentário, “Marighella”, que faz parte da programação da Mostra de São Paulo 2011. Sobrinha de Clara Charf, última companheira do guerrilheiro, para a diretora fazer esse filme era resolver uma ansiedade pessoal que a perseguia há anos.


“Em meados da década de 1980 eu consegui aprovação numa lei de captação, mas não consegui dinheiro para fazer o filme. O tema ainda era muito explosivo para aquela época, e ninguém quis investir”, disse em entrevista ao UOL Cinema. Em duas décadas e meia, Isa teve tempo para amadurecer o projeto e rever o roteiro. No entanto, a documentarista tinha urgência pois queria finalizar o filme até 5 de dezembro, quando se comemora o centenário de nascimento de Marighella, morto numa emboscada policial em São Paulo, em 1969.

“Desde o começo eu sabia que o filme tinha de ser em primeira pessoa. Eu precisava me apresentar logo no começo como sobrinha dele. Do contrário, seria falso. E acho que o documentário deixa claro que esse é o meu recorte do tema. Existem vários, e esse é o meu”. Para contar a história de seu tio, que era um enigma em sua vida, Isa fez entrevistas com sua tia, com o filho de Marighella, Carlos Augusto, o crítico e escritor Antônio Cândido, além de vários guerrilheiros.

Para a seleção de entrevistados, Isa contou com a colaboração do jornalista e pesquisador Mário Magalhães, que trabalha numa biografia de Marighella. “Eu queria colocar no filme pessoas que conheceram meu tio, que tivessem boas histórias para contar e que fossem articuladas. Fiz cerca de 60 entrevistas e tenho muito material bom. Foi difícil limitar o filme a apenas 90 minutos”.

Durante sua pesquisa para a produção, Isa deparou-se com um problema: não havia sequer uma imagem de Marighella em movimento. Encontrou apenas fotos – entre elas, uma famosa foto do guerrilheiro baleado na matinê de um cinema, em maio de 1964. Mas o que mais surpreendeu Isa foram os componentes da ideologia do tio que, na época ela era pequena demais para entender. “Era um homem muito à frente de seu tempo. Tinha pensamentos modernos em relação ao feminismo, divórcio e religião”.

A cineasta descobriu que ele recebeu apoio inclusive de intelectuais europeus, como o cineasta suíço Jean-Luc Godard e o filósofo francês Jean-Paul Sartre. “Eu encontrei um filme feito pelo Chris Marker sobre ele [“Falamos de Brasil: Carlos Marighella”, de 1970]. Esse cineasta é meu ídolo, e foi emocionante”.

A montagem do documentário “Marighella”, assinada por Vania Debs, é amarrada habilmente por um poema que ele escreveu quando era estudante em Salvador, como resposta a uma prova de física. A narração é feita pelo ator Lázaro Ramos, cuja disponibilidade Isa confessa ter esperado por um ano.

Antes do lançamento em cinema – previsto para o próximo ano –, Isa pretende realizar uma sessão em Salvador, cidade onde nasceu Marighela, no dia de seu aniversário (5 de dezembro) e diz que dedica o filme à tia, que viu o longa pela primeira vez no Festival do Rio, em setembro. “Quando acabou a sessão, ela ficou uns 5 minutos sem falar nada. O filme é um presente para ela, que é um anjo guerreiro”.

Os planos para o próximo ano são, além de levar o documentário para o circuito comercial, promover sua circulação: “Quero muito que seja visto por jovens, em escolas, e debatido. Acho que uma das funções do longa é trazer a figura de Marighella para as gerações que não o conheceram.”
 


MARIGHELLA

Seg. (31), às 16h30, no Cine Sabesp (r. Fradique Coutinho, 361, Pinheiros, tel. 0/xx/11/5096-0585)

Qui. (3), às 15h30, no Frei Unibanco Arteplex 2 (shopping Frei Caneca - r. Frei Caneca, 569, 3º piso, tel. 0/xx/11/3472-2362)

A programação está sujeita a alterações.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
Reuters
Roberto Sadovski
do UOL
Cinema
EFE
do UOL
UOL Jogos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Jogos
Cinema
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo