Filmes e séries

"Não quero que usem esse filme politicamente", diz Marina Silva sobre filme que vai retratar sua vida

Leticia Moreira/ Folhapress
Marina Silva com a cineasta Sandra Wernek, que está produzindo um filme sobre a trajetória da ex-senadora (8/11/11) Imagem: Leticia Moreira/ Folhapress

AMANDA SERRA

Da Redação

30/11/2011 07h00

Com uma história marcada pelas lutas socioambientais, a ex-candidata à Presidência, Marina Silva, 53, espera que o filme “Marina e o Tempo” (nome provisório) mostre para o público que é possível dar um novo rumo para a vida quando há esperança. “Estou ansiosa", diz Marina em entrevista ao UOL. "A expectativa é boa, a história do Acre é muito interessante. Retrata um grupo de jovens sonhadores que mostram ser possível criar uma nova história e até mesmo trajetórias relevantes para o país”

Marina Silva não queria ter sua vida retratada no cinema e demorou a aceitar o pedido da diretora Sandra Werneck. “Eu resisti muito por causa da minha família e também pela questão política", diz a ex-senadora. "A Sandra ficou no meu pé, na minha mão, na minha orelha, até chegar ao meu coração. Não quero que usem esse filme politicamente, mas sim como um testemunho de fé e determinação."

Segundo Werneck, o gênero biográfico no cinema é difícil por definição. “Biografia é sempre um desafio", diz ela. "Não importa se a pessoa está viva ou morta.”

O filme vai mostrar a trajetória de Marina e as dificuldades que teve, como o fato de ter aprendido a ler e escrever apenas aos 16 anos, o trabalho na extração de borracha, como empregada doméstica, a luta ambiental. Além de sua constante “briga” para sobreviver, já que enfrentou tratamentos fortes para não ter seu organismo deteriorado pelo mercúrio.

“Estava assistindo TV uma noite e vi uma entrevista da Marina falando um pouco sobre sua vida pessoal e me interessei", conta Werneck. "No mesmo dia, comprei a biografia dela e li inteira.O pano de fundo será a trajetória pessoal dela, a luta ambiental e não a carreira política. Quero que o filme seja reconhecido internacionalmente."

Elenco

  • Guilherme Gobbi

    Lucy Ramos caracterizada como a ex-senadora Marina Silva (14/11/11)

Para fazer o papel de Marina Silva está confirmado o nome da atriz Lucy Ramos, que se encontrou com a personagem recentemente. Há outros nomes aguardando confirmação, como Wagner Moura, que faria o seringueiro Chico Mendes. Thiago Fragoso deve interpretar o técnico agrícola Fábio Vaz de Lima, marido de Marina. E Regina Casé pode interpretar a avó da ex-ministra do Meio Ambiente.  "Fiquei muito feliz quando soube da Regina Casé", disse a ex-ministra. "Ela é uma parceira, quando a encontrei pela primeira vez parecia que eu a conhecia há anos."

 

“Mesmo antes de conhecer pessoalmente a Lucy, já havia gostado muito dela. É uma atriz jovem, bonita, talentosa e que teve uma trajetória humilde, ou seja, muito do que eu vivi, ela também deve ter presenciado. Já tem um quê de identidade. Assisti ao teste dela e vi que ela pegou uns cacoetes meus, que eu imaginei que só eu sabia que existiam [risos]. Minha filha viu e disse: ‘nossa mãe, ela fica mexendo a caneta igual a você. ’”, conta Marina.

Marina nos cinemas

Lucy Ramos, que recentemente interpretou Maria Cesária na novela “Cordel Encantado”, da Globo, está ansiosa para viver seu primeiro papel como protagonista. “Vou viver a Marina de janeiro a junho e quero que a vejam na tela e esqueçam-se da atriz", diz Ramos. "Pretendo passar uns dias no Acre, tentar fazer o que ela fez. Não sou uma pessoa ligada em política, mas agora vou atrás para entender tudo relacionado à luta da Marina”.

Werneck pretende conduzir os atores com laboratórios de interpretação: “A Lucy vai iniciar uma pesquisa sobre a trajetória da Marina e também fará umas aulas com a atriz Camila Amado. Eu gosto de acompanhar os atores, mas no set de filmagem costumo deixa-los livres”.

Contato com a Marina

  • Divulgação

    Primeiro encontro entre Marina Silva e Lucy Ramos, que irá interpretar a ex-candidata à Presidência, no cinema (24/11/11)

Lucy Ramos e Marina Silva se encontraram a primeira vez no fim de novembro. “Eu achava que ia conhecê-la ano que vem, quando começam as filmagens", diz a atriz. "Mas o destino nos juntou antes do esperado. Fui mestre de cerimônia do ‘Prêmio Personalidade Acreana’, no qual a ela foi homenageada. Disseram que quando a encontrasse eu ia sentir uma coisa boa, uma energia positiva. De fato, fiquei muito emocionada, ela tem algo diferente, é iluminada, é simples. Posso dizer que tenho muito orgulho de poder representar a Marina Silva no cinema.”

Participação
Sempre com o cuidado de não invadir o espaço alheio, Marina diz que quer acompanhar a filmagem, prevista para abril de 2012, se a diretora achar pertinente. “Estou disposta a acompanhar as gravações, se a Sandra achar que posso contribuir em algo e se a minha agenda ajudar”, diz ela. A ex-ministra já está colaborando com a produção do roteiro, que deve ter sua segunda versão pronta no fim de 2011.

A arte é algo que deve falar com todos seja para agradar, desagradar ou ser indiferente, mas tudo isso dentro da apreciação artística, sem se deixar contaminar pelas nossas escolhas políticas. Arte é arte e é assim que quero, acredita Marina Silva

“Tenho falado com a Sandra e pedi para ela conversar com outras pessoas para mergulhar no mundo ruralista, ambiental... Entender a linguagem, os tempos, as formas de comunicação, os ditos e não ditos do universo dos seringueiros. Isso requer uma carpintaria artística árdua. O sentimento que rodeia a floresta é muito sútil. Sentimos muitas coisas dentro da floresta as quais não somos capazes de explicar.”

Sandra gosta da aproximação da ambientalista com a equipe -- “Eu procuro manter uma parceria com a Marina, afinal de contas ela pode contribuir muito. Boa parte das filmagens vai ocorrer no Seringal do Bagaço, no Acre, onde Marina cresceu”.

Sem dar muitos detalhes, Sandra adianta apenas que o longa “terá muitas histórias engraçadas e peculiares do local. É filme que além de emocionar também vai divertir o público”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo