Filmes e séries

Em novo filme de diretor e roteirista de "Juno", Charlize Theron volta a se arriscar a ser feia

Divulgação
Charlize Theron em cena do filme "Jovens Adultos" Imagem: Divulgação

ANA MARIA BAHIANA

Especial para o UOL, de Los Angeles

01/12/2011 07h00

A dupla que causou sensação em 2007, colecionando quatro indicações para o Oscar (inclusive melhor filme) e convertendo uma delas (melhor roteiro para Diablo Cody), está de volta este ano, e com toda intenção de fazer barulho. Quatro anos atrás, Cody e o diretor Jason Reitman exploraram um outro lado da adolescência com "Juno". Este ano, com "Jovens Adultos", seu foco está nos adultos que, por um motivo ou outro, não conseguem ou não querem crescer.

Ao contrário de 2007, não há estrelas novatas, como Ellen Page. Quem carrega o filme é Charlize Theron, mais uma vez arriscando-se a ser feia e desagradável no papel de Mavis, uma autora de livros infantojuvenis em profunda crise existencial. Com sua série de livros de aventuras colegiais em vias de extinção, Mavis resolve voltar à cidadezinha do interior onde nasceu, em busca de um namorado dos tempos do ginásio (Patrick Wilson).

O fato de o rapaz estar casado e ter acabado de se tornar pai de sua primeira filha não parece ser um grande problema . Numa identificação cada vez maior com as personagens que cria em seus livros, Mavis está decidida a reconquistá-lo, acreditando piamente que ele também acha que os dois viveram um romance eterno e inesquecível… como os dos romances adolescentes.


Reitman trabalha o roteiro de Cody com a mesma sensibilidade que exibiu em "Juno" e  "Amor sem Escalas", enfatizando os pequenos detalhes que tornam a história psicologicamente profunda. É ao mesmo tempo triste e engraçado ver como, com a chegada de Mavis, toda a cidade parece reverter aos tempos do ginásio, com antigas rivalidades, paixonites e conflitos se reacendendo, e uma generalizada nostalgia pelos tempos em que uma boa bebedeira no mato atrás do campo esportivo da escola era o programa ideal para uma noite de sábado.

Além de Charlize, o outro desempenho notável é o de Patton Oswald como Matt, o colega semi-paralizado depois de uma surra que pode ou não ter sido por causa de suas preferências sexuais. Como Mavis, Matt prefere viver numa versão interminável de sua adolescência, fumando maconha, montando bonequinhos de super-herói em sua garagem e circulando pelo mundo adulto quase como um fantasma.

TRAILER DO FILME "JOVENS ADULTOS"


O filme tem mesmo potencial para prêmios em várias categorias – roteiro, direção, filme, atriz, coadjuvante. E a campanha, de certa forma, já começou, usando um recurso definitivamente de "jovens adultos", o Twitter. "Jovens Adultos" foi exibido em poucas e selecionadas sessões, e, ao contrário do que em geral acontece, os espectadores foram encorajados a tuitar sua reação. O resultado tem sido tuítes sucessivos, nas últimas duas semanas, dizendo o quanto o filme era genial e como merecia indicações.

Num desenvolvimento mais recente, Judd Apatow, amigo de Jason Reitman, tuitou que a Academia deveria criar uma categoria para melhor comédia, uma vez que “comédias raramente são lembradas”. Ele poderia estar falando de "Missão Madrinha de Casamento", que produziu… ou dando uma força a mais a "Jovens Adultos".

"Jovens Adultos" estreia nos Estados Unidos no dia 16 de dezembro e chega às telas brasileiras no início de fevereiro de 2012.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Reuters
Topo