Filmes e séries

CCBB exibe 42 filmes da carreira de Clint Eastwood como ator e diretor

Divulgação
Clint Eastwood em cena de "Gran Torino" (2008) Imagem: Divulgação

SÉRGIO ALPENDRE

Colaboração para o UOL

05/12/2011 07h00

Começa nesta terça-feira (6), no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) de São Paulo, um dos maiores eventos cinematográficos do ano: a mostra Clint Eastwood - Clássico e Implacável.

Ao reunir todos os filmes que Eastwood dirigiu (à exceção do ótimo "Poder Absoluto", de 1997) e boa parte dos filmes em que atuou como protagonista, a mostra faz justiça a um dos grandes autores de cinema, prestigiado por críticos do mundo inteiro e já premiado com dois Oscars de melhor filme e direção (por "Os Imperdoáveis" e "Menina de Ouro").  

Acompanhando seus trabalhos como ator, o público do CCBB vai perceber que Eastwood controla sua carreira como poucos (ele é também produtor de todos os filmes que dirigiu e da maior parte dos que protagonizou). Durante esse percurso elogiável, Eastwood procurou alternar os tipos que representava na tela. Assim, após compor um policial teimoso, interpretou um falso caubói de circo; após um pistoleiro solitário, um alpinista; após um espião do serviço secreto americano, um cantor fracassado de country, e assim por diante.

Sua presença como ator, no entanto, é muito forte. Quando interpreta um fotógrafo aventureiro, mas solitário e romântico, em "As Pontes de Madison", seus dentes cerrados e as sobrancelhas que se franzem quando está contrariado nos lembram que, por trás daquela doçura, está o homem que personificou, em cinco longas, o detetive Harry Calahan, mais famoso como Dirty Harry.


Quando protagoniza uma comédia, é praticamente incapaz de fazer rir, cedendo tal privilégio a seus parceiros de cena (Geoffrey Lewis é um dos mais constantes, com sua feição marcante, que cai tão bem num vilão impiedoso quanto num trapalhão de primeira), e mesmo ao orangotango Clyde, em "Doido Para Brigar, Louco Para Amar" (dirigido por James Fargo, 1978) e sua continuação "Punhos de Aço - Um Lutador de Rua" (Buddy Van Horn, 1980).

Clint é sempre um machão. Homem duro, de poucas palavras, que tanto pode seduzir uma italo-americana de Utah quanto matar bandidos a sangue frio e pelas costas nas ruas de São Francisco. Seus personagens são briguentos, geralmente mulherengos (a não ser nos últimos filmes), intransigentes com o que eles consideram errado e muitas vezes atormentados por algum trauma do passado.

Talvez seja por ter essa personalidade tão marcante que Eastwood interpretou vários policiais no cinema, do caubói que vai para a cidade grande atrás de um criminoso em "Meu Nome é Coogan" (Don Siegel, 1968) a Harry, o sujo, em "Perseguidor Implacável" (Don Siegel, 1971), de um policial incompetente que é incumbido de escoltar uma prostituta em "Rota Suicida" (1977) ao detetive viciado em sexo de "Agente na Corda Bamba (Tightrope, 1984), chegando ao veterano de "Dívida de Sangue" (2002), que recebeu um transplante do coração de uma das vítimas de um misterioso serial killer, os tipos que serviram à lei se multiplicam revelando personalidades diversas.

CLINT EASTWOOD DIRETOR

"Sobre Meninos e Lobos" (2003)"Invictus" (2009)"Além da Vida" (2010)


Nos faroestes, sua presença é tão forte quanto nos policiais. Ganhou fama interpretando o homem sem nome de três filmes de Sergio Leone ("Por um Punhado de Dólares", de 1962, "Por Alguns Dólares a Mais", de 1964, e Três Homens em Conflito", de 1966). Daí em diante, voltou ao gênero por diversas vezes, muitas delas dirigindo, até culminar com um de seus personagens mais marcantes, o pistoleiro arrependido Will Muny, de "Os Imperdoáveis" (1992).

Em outro faroeste magistral, "Josey Wales - O Fora da Lei", Eastwood viu-se obrigado, como produtor, a demitir o diretor Philip Kaufman, assumindo ele próprio a direção. É um episódio que ele lamenta até hoje. O motivo alegado para a demissão foi a diferença entre as ideias de um e de outro. Podemos questionar se a demissão era mesmo algo inevitável, mas dificilmente o filme teria ficado melhor, fosse outro o diretor que não o próprio Eastwood.

Nos anos 1990 tentou a todo custo livrar-se da fama de durão. Seu personagem em "Na Linha de Fogo" (Wolfgang Petersen, 1993), um segurança do presidente dos EUA, em determinado momento, chora em cena, causando furor na imprensa cultural. Podiamos ver as frases noticiosas se multiplicando, como aquelas que divulgavam cada passo diferente de Greta Garbo no passado distante. "Eastwood chora", no lugar dos famosos "Garbo fala" e "Garbo ri" de outrora.

Pode ter havido certo exagero nessa história, uma vez que anteriormente ele já havia interpretado personagens fragilizados por alguma circunstância. Mas tal choro (e a força com que esse choro foi propagandeado) é um forte sinal da maneira como Eastwood controlava sua carreira e pensava em cada passo dado.

CLINT EASTWOOD ATOR

"Por um Punhado de Dólares" (1964), de Sergio Leone"Magnum 44" (1973), de Ted Post"As Pontes de Madison" (1995), de Clint Eastwood


Nos últimos tempos, cansou de atuar, mas tem dirigido em média um filme por ano. No século 21, optou por temas grandiosos como o combate ao Apartheid por Nelson Mandela em "Invictus" (2009), a Segunda Guerra Mundial do ponto de vista dos americanos ("A Conquista da Honra", 2006) e dos japoneses ("Cartas de Iwo Jima", 2006) ou dramas emocionantes como "Sobre Meninos e Lobos" (2003), "Menina de Ouro" (2004) e "Além da Vida" (2010).

Eastwood é certamente um dos maiores diretores de cinema em atividade. Um cinéfilo que se preze deve acompanhar ao menos parte da Mostra dedicada a ele no CCBB. Infelizmente, títulos importantes como "O Estranho que Nós Amamos" (Don Siegel, 1971) e o já mencionado "Poder Absoluto" estão ausentes da mostra. E alguns dos filmes confirmados serão exibidos em DVD. Mas pelo gigantismo do evento (são 42 filmes, ao todo), é assim mesmo um evento imperdível.

Depois de São Paulo, a mostra segue para Brasília. A programação completa pode ser consultada aqui.
 


CLINT EASTWOOD - CLÁSSICO E IMPLACÁVEL
Quando:
de 6 a 30 de dezembro
Onde: Centro Cultural Banco do Brasil - Cinema (r. Álvares Penteado, 112, Centro, tel. 0/xx/11/3113-3651); 70 lugares
Quanto: R$ 4
Site oficial: bb.com.br/cultura

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo