Filmes e séries

Antes de começar o "BBB12", Pedro Bial ri de si mesmo no filme "Agamenon"

Divulgação
Pedro Bial e Hubert em cena de "As Aventuras de Agamenon - o Repórter" (2011) Imagem: Divulgação

MAURICIO STYCER

Em São Paulo

05/01/2012 08h21

Quatro dias antes de invadir os lares brasileiros, à frente do "BBB12", Pedro Bial vai participar de uma grande ocupação nos cinemas. O apresentador do reality show da Globo é uma das iscas de “As Aventuras de Agamenon, o Repórter”, filme que estreia nesta sexta (6) em cerca de 300 salas do país.

Bial interpreta a si próprio, no papel de um repórter chamado Pedro Bial. Numa das boas piadas do filme, ele está cobrindo a queda do Muro de Berlim, em 1989, quando é soterrado por pedras, depois de uma picaretada de Agamenon.

Para quem não o conhece, Agamenon Mendes Pedreira é um jornalista com o dom da onipresença. É uma espécie de "Zelig" ou "Forrest Gump", que testemunhou os fatos mais importantes da história nos últimos cem anos.

Criado há 20 anos pelos humoristas Hubert Aranha e Marcelo Madureira, integrantes da trupe Casseta & Planeta, o “velho homem da imprensa” Agamenon assina até hoje uma coluna dominical no jornal “O Globo”.

Making of mostra Pedro Bial na queda do Muro de Berlim

No filme, dirigido por Victor Lopes, Agamenon é vivido ora por Hubert, ora por Marcelo Adnet. O personagem está no Titanic no dia em que o transatlântico afundou, contracena com Hitler, Freud, Gandhi, Einstein, Getúlio Vargas e Bin Laden, entre outras personalidades da história.

Fernando Henrique Cardoso, Caetano Veloso, Paulo Coelho, Susana Vieira e Jô Soares dão depoimentos sobre o personagem, como se ele existisse de fato.

Os mais jovens não devem se lembrar, mas antes de se tornar a cara do “Big Brother Brasil”, que estreia nesta terça-feira (10), Bial foi repórter e correspondente internacional da Globo. Não chegou a cobrir a queda do Muro, trabalho de Silio Boccanera, mas no ano seguinte, diante do Portão de Brandemburgo, anunciou a unificação da Alemanha.

“Felizmente, o Bial é um cara de grande senso de humor. Ele não se leva à sério, o que é um sinal de inteligência”, disse Hubert, numa entrevista para promover o filme. “Ele viu no filme uma oportunidade para interpretar um de seus mais difíceis papéis: o de Pedro Bial”, diz Marcelo Madureira.

Soterrado pelas pedras do Muro, Bial narra os acontecimentos como se estivesse fazendo um de seus famosos discursos no BBB. Segundo Hubert, o apresentador teve liberdade para mexer no texto do filme. Mas não quis. "Quando ele olhou, disse: ‘Está tão igual ao meu que nem ouso mexer’”, contou Hubert.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo