Filmes e séries

Produtor de "Agamenon" diz que cinema brasileiro precisa de mais filmes "competitivos"

Taís Toti

Do UOL, em São Paulo

11/01/2012 06h30

Comemorando um quarto lugar nas bilheterias do final de semana com "As Aventuras de Agamenon - o Repórter", Bruno Wainer, diretor da distribuidora Downtown, diz que o desafio do cinema nacional é conseguir fornecer ao mercado uma maior quantidade de filmes que consigam competir com os longas estrangeiros nas salas brasileiras.

"O número de filmes nacionais distribuídos vem aumentando, agora temos cerca de 100 filmes por ano, mas o número de filmes competitivos continua estável nesse numero ridículo de oito, nove filmes por ano. Tem que aumentar logo para 15, 20", protesta Wainer.

Trailer de "As Aventuras de Agamenon"

Ele acredita que, para as produções nacionais aumentarem o marketshare (a "quota de mercado") nas salas brasileiras, é necessário mais agilidade e uma melhor distribuição dos financiamentos. "Não falta projeto bom para isso, o que falta é que o dinheiro chegue rapidamente e seja melhor distribuído".

 

Agamenon

Com 204 mil ingressos vendidos desde a estreia na sexta (6) até o domingo, o resultado de "As Aventuras de Agamenon - o Repórter" nas bilheterias é classificado por "sensacional" por Bruno Wainer. "Nossa expectativa era cautelosa, mas nos surpreendemos. O filme foi tão execrado pela crítica que ninguém esperava. É um filme ame-o ou odeie-o, mas essa reação extrema é boa porque o público está curioso".

O filme é baseado no personagem criado por Hubert e Marcelo Madureira, do "Casseta & Planeta", e estrelado por Marcelo Adnet e Luana Piovani. "Já prevejo a melhor performance de um filme do 'Caceta'", garante o diretor da Downtown.

As comédias são maior garantia de bilheteria, mas Wainer afirma que o objetivo da Downtown é diversificar os gêneros. "É preciso ter em mente que a cinematografia não vive só de um gênero. No ano passado as comédias foram campeãs, mas tivemos surpresas como 'Assalto Ao Banco Central' e até o filme do Selton Mello, 'O Palhaço', que é um drama com toques de comédia. Ninguém pode querer colocar o cinema brasileiro num gueto'".

Em 2012, a Downtown aposta em "Xingu", épico sobre os irmãos Villas Bôas dirigido por Cao Hamburguer, e "Gonzaga, De Pai Para Filho", que sai no segundo semestre aproveitando as comemorações do centenário do músico Luiz Gonzaga.

Uma surpresa nas bilheterias pode ser "Heleno", filme sobre o jogador de futebol  interpretado por Rodrigo Santoro que estreia em março. "'Heleno' é mais fino, mais sofisticado, mas dentro dessa fatia de filmes sofisticados é o melhor que eu vi feito no Brasil há bastante tempo", elogia Bruno Wainer.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo