Filmes e séries

Atualizada em 15.02.2012 09h10

Em preto e branco, co-produção brasileira "Tabu" chama a atenção no Festival de Berlim 2012

Divulgação
Cena do longa brasileiro "Tabu" com Laura Soveral Imagem: Divulgação

Alessandro Giannini

Do UOL, em Berlim

Co-produção brasileira, portuguesa, francesa e alemã, "Tabu" rompeu com a tendência dominante até aqui na competição do Festival de Berlim 2012 de filmes narrativos lineares centrados em temas políticos e familiares. Em preto e branco, com uma parte falada e outra muda, foi um choque bem vindo pelos jornalistas presentes na sessão de imprensa, no início da tarde desta terça (14), que aplaudiram bastante ao final da projeção.
 
O diretor do filme, o português Miguel Gomes, assinou anteriormente a comédia "Meu Querido Mês de Agosto", sucesso na Mostra Internacional de Cinema em São Paulo de 2009. "Tabu" vai no caminho oposto, embora o exercício da ironia seja uma das marcas registradas do cineasta. 
 
As referências ao cinema mudo e aos filmes alemães de Friedrich Wilhelm Murnau também perpassam "Tabu". Mas não como uma forma de homenagear o cinema, de acordo com a resposta que o diretor deu ao UOL: "A minha intenção é mais dialogar com a memória do cinema clássico americano e mudo. Não acho que o cinema precise ser homenageado, a não ser pelos filmes que continuam a existir e que são bons".
 
Dividido em duas partes bem diferentes em conteúdo e na forma, o filme acompanha a saga de Aurora (Ana Moreira e Laura Soveral) em momentos distintos de sua vida. Na primeira, em preto e branco e com diálogos, ela vive reclusa em Lisboa, sob os cuidados da empregada Santa (Isabel Cardoso) e a vigilância da vizinha Pilar (Teresa Madruga).
 
Na segunda parte, o filme volta no tempo cerca de 50 anos, pouco antes do início das guerras entre Portugal e suas colônias africanas - não há diálogos aqui. Ambientada no sopé do ficcional Monte Tabu, onde Aurora tinha uma fazenda, a trama resgata a frustrada história de amor entre ela e um amante. 
 
O personagem do amante é interpretado pelo ator brasileiro Ivo Muller, ganhador do prêmio APCA com a peça "Doze Homens e Um Destino". Segundo Muller, sua participação aconteceu graças a uma seleção deita pela so-produtora brasileira do filme, a Gullane Filmes, que mandou material da peça para Gomes em Portugal. "No mesmo dia em que me chamaram, voei para Lisboa para fazer o teste", disse ele.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
Topo