Filmes e séries

Filme indonésio sobre menina criada em um zoológico desperta a curiosidade em Berlim

Divulgação
Cena de "Postcards from the Zoo" Imagem: Divulgação

Alessandro Giannini

Do UOL, em Berlim

15/02/2012 10h56

Primeiro filme indonésio a ser selecionado para a mostra competitiva do Festival de Berlim 2012, "Postcards from the Zoo" foi acolhido com simpatia na sessão para a imprensa realizada na manhã desta quarta (13). Junto a "Tabu", talvez seja outro exemplo "fora da curva" entre os concorrentes aos Ursos. Se isso é boa notícia, só o presidente do júri Mike Leigh e seu séquito de jurados poderão responder no dia da premiação.

"Postcards from the Zoo" mostra a história de Lana (Ladya Cheryl), abandonada pelo pai quando pequena em um dos zoológicos de Jacarta. Criada pelos empregados e treinadores, ela cresce cercada de animais, jaulas e o som de uma vida selvagem fabricada. E aprende tudo o que pode sobre os hábitos dos bichos, desde os hipopótamos até os elefantes, passando pela sua espécie preferida, a girafa.

Quando entra em cena o excêntrico "caubói mágico" (Nicholas Saputra), Lana se apaixona e abandona o zoológico para entrar pela primeira vez no mundo real. Ela o acompanha em shows de mágica por espeluncas como uma boate ligada a uma casa de massagens. Mas ele desaparece como por encanto, o que a deixa sem opções e faz com que entre no ramo das "massagistas".


Colorido, solar e, por outro lado, melancólico, "Postcards from the Zoo" não fala sobre política ou família - duas tendências fortes nessa edição do festival. Mas é enfático na questão da saudade e dos desejos, as duas principais engrenagens da existência da personagem principal.

"A vida no zoológico é muito parecida com a vida fora dele", explica o diretor Edwin, ao responder por que ambientou o seu filme em um local como esse. "É um lugar em que muita se vai para olhar e também para ser olhado."

De acordo com uma das produtoras do filme, Lorna Tee, o cinema na Indonésia tem os blockbusters, filmes de médio orçamento e os "de arte". Segundo ela, um filme comercial grande pode levar até cinco milhões de pessoas aos cinemas, enquanto o filme anterior de Edwin levou apenas 500 mil. "Além disso, não temos incentivos do governo para filmar", completou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Topo