Filmes e séries

Diretora de "Quem se Importa" se inspira na "falta de utopia" para mostrar projetos sociais

Divulgação
A diretora Mara Mourão (centro), Joaquim Melo e moradora do bairro Palmeiras, no Ceará, que está no filme "Quem se Importa" Imagem: Divulgação

Ana Okada

Do UOL, em São Paulo

12/04/2012 07h00Atualizada em 12/04/2012 19h47

Mara Mourão lança nesta sexta-feira (13) "Quem se Importa", documentário que mostra histórias de empreendedorismo social pelo mundo, e diz que uma de suas inspirações para o projeto foi a "falta de utopia" dos jovens. "Acho que as pessoas estão órfãs de uma utopia. Na minha geração, a gente tinha que lutar contra a ditadura. Hoje, a única causa que os jovens têm é o meio ambiente; eles estão ávidos por ter uma causa", diz.

No longa são mostradas histórias como as de Joaquim Melo. Ele notou que sua comunidade, o bairro Palmeiras, no Ceará, estava sofrendo por não ter dinheiro para pagar contas de luz e água --melhorias que o bairro recebera recententemente. Melo, então, criou uma moeda para o bairro, a "Palmas", para que o dinheiro da população não saísse dali.

A diretora explica que o filme é um "upgrade" (melhoramento, em tradução livre) de seu filme anterior, "Doutores da Alegria", sobre o grupo de atores que, vestidos de palhaço, visita crianças em hospitais brasileiros. "Com 'Doutores da Alegria', senti que o filme impactou a vida das pessoas, e mudou a minha vida e o meu jeito de pensar. Gostei de sentir que o cinema tem um impacto social tão forte, e 'Quem se Importa' é um 'upgrade' de 'Doutores', porque tem vários empreendedores sociais."

Ao todo, Mara levou três anos para conseguir fazer o longa, que é filmado no Brasil, Peru, Estados Unidos, Canadá, Tanzânia, Suiça e Alemanha, e teve que conciliar a agenda dos empreendedores escolhidos com as gravações. A edição levou um ano para ser concluída. Dos cinquenta empreendedores que ela havia escolhido, depois de fazer pesquisas no banco de dados da Ashoka, organização que financia projetos sociais, somente dezoito foram retratados. "Muita gente boa ficou de fora", diz.

Além de lançar "Quem se Importa" nos cinemas, Mara pretende levar o documentário para escolas, e aposta num lançamento pequeno e na propaganda boca a boca para divulgá-lo. "O impacto não passa pela bilheteria. Há muitos filmes pequenos que causaram um 'estrago' no bom sentido enorme, como "Uma Verdade Inconveniente" e "Super Size Me". Poucos viram, mas os que viram se tornaram multiplicadores", explica.

TRAILER DE "QUEM SE IMPORTA"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo