Filmes e séries

"Ver é mais difícil", diz Nathalia Dill sobre cenas de nudez e sexo em "Paraísos Artificiais"

Divulgação
Érika (Nathália Dill) em cena de "Paraísos Artificiais" Imagem: Divulgação

Ana Okada

Do UOL, em São Paulo

02/05/2012 07h00Atualizada em 30/04/2012 19h20

Interpretando sua primeira protagonista no cinema em "Paraísos Artificiais", filme de Marcos Prado que estreia nesta sexta-feira (4), Nathalia Dill diz que fazer cenas de sexo e nudez é menos difícil do que vê-las na telona. "Fazer é muito diferente de ver. A gente, quando está fazendo, está pensando em outras questões. É tão mais forte, tem tanta coisa em que você pensa, como as sensações que você tem que passar para a cena ficar boa... Quando você vê, é muito mais impactante. Ver é mais difícil", diz.

No longa, Nathalia vive Érika, uma jovem DJ em ascensão. Ela encontra o sucesso tocando em raves, viajando (em todos os sentidos) com a amiga (e aparentemente namorada) Lara, interpretada por Lívia de Bueno. Ao mesmo tempo, Érika vive altos e baixos na vida pessoal, em meio às idas e vindas de Nando (Luca Bianchi). Apesar do estranhamento inicial, a atriz gostou do resultado: "Achei o filme lindo, está todo mundo muito bem. Fica tudo muito pequeno perto disso".

As cenas ousadas de "Paraísos Artificiais", para Nathalia, estão no "lugar certo": "Na TV é um tabu [nudez e sexo], mas o cinema tinha esse estigma, era até um clichê... Acho que cada coisa tem seu lugar. Sabia que teria repercussão, mas se tivesse a ver com a história, se tem um significado e se for em prol da arte, é mais do que normal. Para a arte, é lindo, não tem questão."

Aulas de DJ
Para viver Érika, a atriz --que não gostava de música eletrônica-- fez aulas de DJ e diz que "aprendeu" a gostar do gênero. "Antes não conhecia [música eletrônica], não entendia muito, achava sem graça e estranho. Pensava 'Por que fazem uma música sem letra?', mas aí fui descobrindo o que era... Aprendi a gostar de música eletrônica, que é muito mais sensorial." Mesmo com as aulas, no entanto, Nathalia diz que não aprendeu a tocar pois é "quase impossível".

Habituada a fazer "mocinhas" em novelas, Nathália diz que sua personagem não está muito distante delas, apesar de estar inserida num outro "universo". "Tem cenas que são diferentes [das cenas de novelas], mas a personagem é uma menina, tem minha idade. Algumas pessoas falam que eu nem pareço com ela, mas não acho tão diferente", explica.

O filme, explica Nathalia, foi feito com a mesma equipe que fez "Tropa de Elite" --que foi produzido por Marcos Prado. Para a atriz, que havia sido figurante no longa, voltar a trabalhar com os mesmos profissionais foi "a realização de um sonho". "Senti um misto de desejo realizado e emoção à flor da pele. Foi quase a realização de um sonho. Na época, fazer essa figuração foi muito importante para mim, que estava começando. Agora dá um sentimento de missão cumprida."

TRAILER DE "PARAÍSOS ARTIFICIAIS"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo