Filmes e séries

Festival de Cannes começa nesta quarta (16) com grande participação do cinema dos EUA

Divulgação
Cena do filme "Cosmopolis", de David Cronenberg Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

15/05/2012 13h01

Entre os 22 filmes em competição no Festival de Cannes 2012, que começa nesta quarta-feira (16), há um contingente norte-americano particularmente grande, começando com o filme da noite de abertura "Moonrise Kingdom", de Wes Anderson. O longa sobre o amor adolescente em fuga traz alguns atores como Bruce Willis e Edward Norton.

Depois, há a adaptação "Cosmopolis", estrelada por Robert Pattinson, e a adaptação feita por Walter Salles ("Diários de Motocicleta") de "On the Road". Este filme, produzido por Francis Ford Coppola, traz as estrelas Sam Riley e Garrett Hedlund, mas tem atraído mais atenção para o papel coadjuvante de Kristen Stewart como a namorada de Dean Moriarty.

Há ainda "Lawless", de John Hillcoat, um conto estrelado por Shia LaBeouf e Tom Hardy, e "Killing Them Softly", de Andrew Dominick's, um filme policial estrelado por Brad Pitt. O grupo extraordinariamente grande de norte-americanos é formado também por "Mud", de Jeff Nichols, com Matthew McConaughey e Reese Witherspoon, e "The Paperboy”, de Lee Daniels, um drama sobre o corredor da morte estrelado por McConaughey, Zac Efron e Kidman.

"Os americanos estão chegando" anunciou Lee Daniels, cujo "Precious" já foi exibido na seção “Um Certo Olhar”.

A declaração ecoa o mesmo sentimento do diretor artístico do festival, Thierry Fremaux, que declarou que o cinema norte-americano "voltou com força total" ao anunciar a programação.

"Nós ficamos tão envolvidos, como norte-americanos, em um tipo específico de experiência cinematográfica, que nos esquecemos que esta é uma pequena fração do que é cinema", disse o diretor Lee. "É ok ser estranho lá. Eu me lembro de quando estava fazendo “Precious” e todo mundo olhava para mim coçando suas cabeças para perguntar ‘O que você está fazendo?’  Lembro-me de sentir estranho, e eu não me sinto estranho em Cannes”, continuou.

"Árvore da Vida" ,de Terrence Malick, ganhou o prêmio máximo do festival em 2011 e foi o primeiro filme americano a ganhar desde que “Fahrenheit 9/11", de Michael Moore,venceu em 2004.

"Cannes é uma arena mundial", disse o produtor Harvey Weinstein. "É uma grande oportunidade de lançar algo. A imprensa mundial está lá e atrai a atenção de todos. Você tem diferenças de opinião e, quando se tem um consenso, você pode realmente lançar um filme como fizemos com o ‘O Artista’ no ano passado".

 

Vários filmes em competição estão procurando por distribuição e alguns já encontraram. "On the Road" na última semana foi adquirida pela IFC Films e Sundance Selects com planos para um lançamento no final deste ano. Em acordos assinados em quartos de hotel e a bordo de iates , muitos outros filmes em vários estágios de produção serão comprados e vendidos. Depois de um mercado robusto em 2011, Weinstein descreve o mercado desse ano como "provavelmente mais forte".

Outros filmes procurarão se beneficiar da convergência global de mídia, como a próxima animação da DreamWorks "Madagascar 3", que vai ser exibido fora de competição, e "O Ditador", para o qual Sacha Baron Cohen é esperado para fazer uma aparição de caráter promocional na quarta-feira.

Embora Sean Penn e Brad Pitt sejam os favoritos em Cannes, o festival deste ano inclui uma nova safra de jovens atores em busca de trabalhos mais aventureiros, incluindo LaBeouf, Efron e Pattinson.

"Quando você fantasia sobre como o mundo te vê como ator, você pensa  'Eu quero ser reconhecido em Cannes", diz Pattinson, que tem atraído elogios do diretor David Cronenberg por sua atuação em "Cosmopolis".Pattinson já foi a Cannes para promover “Lua Nova”, da saga “Crepúsculo” em 2009.

Não há diretoras na competição deste ano, depois de quatro no ano passado - um resultado que o grupo feminista La Barbe condenou em uma petição online.

Os novatos este ano são superados em número pelos veteranos. Mais de dois terços dos diretores em competição já tiveram filmes exibidos no festival.

Haneke, diretor austríaco que ganhou a Palma de Ouro por "The White Ribbon", em 2009, retorna com "Amour", sobre um casal octogenário. O cineasta britânico Ken Loach, vencedor do prêmio em 2006 por "The Wind That Shakes the Barley", está de volta com "The Angels 'Share" , uma comédia. O iraniano Kiarostami, cujo " Taste of Cherry " ganhou a Palma de Ouro em 1997, traz o "Like Someone in Love”.

Vários dos filmes norte- americanos são colaborações internacionais, dirigidos por cineastas do Brasil (Salles), Nova Zelândia (Dominik) e Austrália (Hillcoat).

Em Cannes, o contexto é sempre macro: todo o mundo, tudo de cinema.

"É ótimo ter um filme americano nesse tipo de arena, onde o que você está vindo a fazer é apenas contar histórias e compartilhar o amor pelo cinema, em oposição às fronteiras nacionais", diz o diretor austríaco Hillcoat. "Isso é que é realmente emocionante sobre Cannes".

(com informações da AP)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Topo