Filmes e séries

Dreamworks mostra cenas inacabadas de versão infantil de "Os Vingadores" em Cannes

Getty Images
O diretor Peter Ramsey aproveita o buzz de Cannes pra começar a divulgação de "Rise of the Guardians". O filme não está na seleção oficial (16/5/12) Imagem: Getty Images

Thiago Stivaletti

Do UOL, em Cannes

16/05/2012 13h33

Os grandes estúdios aproveitaram o buzz de Cannes pra iniciar a divulgação de filmes que vão ser lançados só daqui a seis meses. Antes do festival começar, a Dreamworks chamou a imprensa para ver algumas cenas de “Rise of the Guardians”, uma espécie de versão infantil e animada de os “Vingadores” em que Hulk, Thor e companhia são substituídos pelo Papai Noel, Coelhinho da Páscoa, a Fada do Dente e outras criaturas do imaginário das crianças. O filme estreia em novembro.

O roteiro é de William Joyce, premiado escritor de livros infantis. Nele, um garoto chamado Jack Frost se une aos mitos infantis para derrotar o vilão Pitch, que transforma o sonho das crianças em pesadelos. “A ideia para o filme surgiu quando Bill nos contou que a filha dele perguntou se os personagens que ela conhecia, como o Papai Noel e o Coelhinho da Páscoa, já tinham se encontrado alguma vez”, contou o presidente da Dreamworks, Jeffrey Katzenberg.

A ansiedade para começar a divulgação é tamanha que a produtora mostra até cenas inacabadas – algumas eram tão primárias que pareciam feitas no PaintBrush ou no Corel Draw. “Vamos combinar uma coisa: o que não estiver perfeito, não está pronto ainda”, desculpou-se Katzenberg.

Mas o que está pronto é mesmo espetacular. “Rise of the Guardians” parte de personagens de animação tradicional pra criar um visual exuberante e extremamente colorido e detalhado, aproveitando bastante as possibilidades do 3D. North, o Papai Noel, surge menos barrigudo e com tatuagens nos dois braços – “naughty” (safado) de um lado e “nice” (legal) do outro –, dublado por Alec Baldwin num sotaque russo. Quando a mediadora trocou “tooth fairy” (fada do dente) por “fairy tooth”, Baldwin não resistiu: “Cuidado pra não se confundir. Fairy Tooth é o nome de uma boate na Lower Manhattan (em Nova York)”, brincou.

Chris Pine, de “Star Trek”, dubla o protagonista, Jack Frost, um garoto de 14 anos que descobre ter poderes e quer se juntar ao grupo. “Ele é o outsider do grupo, mas possui uma grande sensibilidade”, comentou.

Hugh Jackman, que não apareceu no evento, empresta um sotaque australiano a Bunnymund, o Coelhinho da Páscoa. E Jude Law carrega no sotaque britânico para dublar Pitch, o vilão que transforma o sonho das crianças em pesadelo, um Bicho-Papão moderno que lembra o Loki dos “Vingadores”.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
Topo