Filmes e séries

Diretor de "Amores Imaginários" decepciona em Cannes com novo filme sobre travesti

Reuters
O diretor Xavier Dolan (direita) posa com Nathalie Baye (esquerda) e Suzanne Clement (centro) durante promoção de "Laurence Anyways" em Cannes Imagem: Reuters

Thiago Stivaletti

Do UOL, em Cannes

20/05/2012 08h40

Cineasta mais jovem da seleção oficial de Cannes, o canadense Xavier Dolan é um fenômeno: com apenas 23 anos, teve seus três longas-metragens até agora selecionados para o festival. Após "Eu Matei minha Mãe” e "Os Amores Imaginários", ele entrou na mostra Um Certo Olhar com "Laurence Anyways", drama sobre um homem que decide viver travestido de mulher e choca sua namorada e a família. Com longas duas horas e quarenta minutos de duração, o filme mostra o vai-e-vem na relação do casal durante mais de dez anos depois da polêmica decisão do rapaz.

Além da duração excessiva, o filme peca por um excesso de artificialismo. Tudo o que funcionava nos dois primeiros filmes – os figurinos e cenários de cores ousadas, as cenas em câmera lenta com ótima música pop, de grupos como o sueco Fever Ray – aqui ficam totalmente pesados. O próprio Laurence, protagonista, fica perdido nas suas hesitações e não provoca nenhuma simpatia do espectador. Era para ser um filme sensível e polêmico, mas torna-se enfadonho.

Na natureza selvagem

Já uma boa surpresa, também na mostra Um Certo Olhar, foi o americano "Beasts of the Southern Wild", primeiro longa de Benh Zeitlin, que chegou em Cannes depois de ser premiado em Sundance, nos EUA.

Na trama, Hushpuppy, uma menina negra, mora com seu pai numa comunidade selvagem, afastados da civilização. A comunidade é sempre atingida por tempestades e inundações.

Hushpuppy desenvolve uma ligação especial com a natureza e precisa enfrentar criaturas selvagens que são como javalis gigantes negros. Num ritmo de fantasia, o filme mistura momentos mágicos com uma realidade de muita pobreza e miséria, embalado por uma atuação impressionante da menina Quvenzhané Wallis. Se tiver um bom lançamento comercial nos EUA, o filme tem toda a chance de repetir o sucesso de "Preciosa" há três anos e chegar ao Oscar do ano que vem com boas indicações.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo