Filmes e séries

Primeiras cenas de "Django Livre", de Tarantino, mostram Jamie Foxx como um escravo libertado

Divulgação/Sony Pictures
O caçador de recompensas alemão dr. King Schultz (Christoph Waltz) e o escravo Django (Jamie Foxx) em cena de "Django Livre", de Quentin Tarantino Imagem: Divulgação/Sony Pictures

Natalia Engler

Do UOL, em São Paulo*

21/05/2012 15h36Atualizada em 21/05/2012 17h41

Jornalistas presentes em Cannes puderam ver nesta segunda-feira (21) as primeiras cenas de "Django Livre", novo filme de Quentin Tarantino. O texto a seguir revela trechos do enredo do longa. Se você não quiser saber detalhes, não continue com a leitura.

As sequências, que já haviam sido exibidas em abril durante evento em Cancun (México), abrem com uma paisagem desértica em que escravos acorrentados caminham, arrastando os pés, tropeçando e vigiados por seus captores. Entre eles está Django (Jamie Foxx). O grupo é abordado pelo Dr. King Schultz (Christoph Waltz), que se apresenta como dentista, introduz seu cavalo - Fritz -, e diz estar interessado em comprar Django. Com a recusa dos feitores, começa o banho de sangue.

Django, o 'D' é mudo.

Frase de Django, personagem de Jamie Foxx em "Django Livre", novo filme de Quentin Tarantino

Também se vê Schultz ensinando Django a atirar. "Suavidade é mais importante que velocidade. E mais importante que suavidade é precisão. Uma vez suave, daí você se torna rápido", ensina Schultz. Mais tarde, os dois chegam a uma fazenda. O escravo é apresentado ao dono do lugar (Don Johnson) como uma espécie de valete do Dr. Schultz, vestido em um pomposo traje azul e branco. Schultz apresenta Django e seu cavalo, Fritz, e adverte o dono do lugar de que ele é um homem livre e deve ser tratado como tal. O fazendeiro dá a uma bela escrava a tarefa de receber Django. Quando os dois são deixados a sós, descobre-se que os dois homens estão ali atrás do paradeiro dos irmãos criminosos Brittle.

Em outra cena, Leonardo DiCaprio aparece como o fazendeiro Calvin Candie, com seu cabelo oleoso e maneiras escorregadias, fumando em uma piteira e olhando para Django do outro lado de sua opulenta sala. "Primeiro vocês chamaram minha atenção. Agora vocês conseguiram meu interesse", diz ele.

Uma frase do personagem de Foxx presente nas cenas parece já ter pegado e se espalha pelas redes sociais: "Django, o 'D' é mudo", diz ele, ao ser questionado sobre seu nome. Outro momento marcante das cenas é quando Django atira sua pistola ao som de "The Payback", de James Brown.


A nova produção de Tarantino se passa nos Estados Unidos do século 19, dois anos antes da Guerra Civil. Jamie Foxx é Django, um escravo cuja história brutal com seus antigos proprietários o leva a conhecer o caçador de recompensas alemão Dr. King Schultz (Waltz). Schultz está na trilha de dois criminosos e somente Django pode levá-lo a sua recompensa. Schultz liberta Django com a promessa de deixá-lo ir embora após a captura dos irmãos Brittle – vivos ou mortos. O sucesso da empreitada leva Schultz a libertar Django, mas os dois seguem juntos em sua jornada e vão em busca dos criminosos mais procurados do sul dos EUA.

Com faro para a caça, Django permanece focado em encontrar e resgatar Broomhilda (Kerry Washington), sua mulher, de quem foi separado muito tempo antes. A busca de Django e Schultz acaba levando-os até Calvin Candie (DiCaprio), o proprietário da “Candyland”, uma plantação onde escravos são treinados por Ace Woody (Kurt Russel) para lutar uns com os outros. Ao explorar o local sob falsos pretextos, Django e Schultz despertam as suspeitas de Stephen (Samuel L. Jackson), o leal escravo doméstico de Candie. Seus movimentos passam a ser acompanhados e uma organização traiçoeira fecha o cerco sobre eles.

"Django Livre" tem estreia no Brasil prevista para 18 de janeiro de 2013.

* A jornalista assistiu às cenas em Cancun (México), em abril, a convite da Sony Pictures.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo