Filmes e séries

"Ao invés de pedir uma bicicleta, pedi uma câmera para o meu pai", diz José Mojica Marins

Divulgação
Entrevista de José Mojica Marins ao "Sala de Cinema" vai ao ar na SescTV no dia 31 de maio Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

24/05/2012 15h08Atualizada em 24/05/2012 16h48

A paixão pelo cinema de José Mojica Marins, mais conhecido como Zé do Caixão, vem de muito cedo: aos oito anos de idade. "Ao invés de pedir uma bicicleta, pedi uma câmera para o meu pai", disse ele em entrevista ao programa "Sala de Cinema", que vai ao ar na SescTV no dia 31 de maio, às 22h.

Filho de gerente de sala de cinema, Mojica contou que era uma rotina comum ir às projeções em sua infância, e isso foi decisivo para que ele viesse a trabalhar no cinema. Com sua câmera, o jovem cineasta começou a fazer curtas inspirados nas histórias que ocorriam na vizinhança. Aos 14 anos, começou a despertar o interesse da imprensa e, no final da década de 1950, fez seu primeiro longa, "A Sina do Aventureiro" (1957-58).

Mojica conta na entrevista que o interesse pelo terror veio por causa da reação do público --ao ver que as meninas se jogavam no colo de quem estivesse perto em cenas fortes-- e pelo fato de ele mesmo ser muito medroso. "Tive medo de dormir com a luz apagada até pouco tempo atrás", diz ele.

"Zé do Caixão" é fruto desse sentimento. O diretor conta que surgiu em 1963, depois de uma noite de pesadelos em que era vencido por uma "força maligna". Para enfrentar a tal criatura, Mojica resolveu criar um personagem dominador.

Sobre a censura que o personagem recebeu, nos anos 1960, o ator e roteirista relembra uma passagem ocorrida em Brasília. "Eles [os censores] me apalpavam para saber se eu era de verdade! Como é que eles queriam censurar algo se acreditavam que eu podia não ser de verdade?", questiona. Ele define Zé do Caixão como algo folclórico, que vai além do "saci pererê".

O diretor diz ainda que é a pessoa que menos ganha com seus filmes --em torno de 2 e 3% da renda de cada um--, e que tem a ajuda de seus filhos e netos para conseguir receber os direitos de exibição da sua obra dentro e fora do Brasil. Além de apresentar atualmente o programa "O Estanho Mundo do Zé do Caixão", exibido pelo Canal Brasil, ele quer lançar neste ano sua autobiografia e o último longa de Zé do Caixão.


Entrevista de José Mojica Marins ao "Sala de Cinema"
Quando: Quinta-feira (31), às 22h, com reapresentações em 1/6, às 16h; 2/6, às 20h; 3/6, às 17h e 24h; e 4/6, às 10h
Onde: SescTV (São Paulo, Net 137, digital)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo