Filmes e séries

Filme mexicano "Post Tenebras Lux" é muito vaiado em sessão para jornalistas

Divulgação
Cena do filme "Post Tenebras Lux", de Carlos Reygadas Imagem: Divulgação

Thiago Stivaletti

Do UOL, de Cannes

24/05/2012 08h40

O filme “Post Tenebras Lux”, do mexicano Carlos Reygadas, recebeu até agora as maiores vaias na sessão de imprensa do festival. A produção faz uma montagem indecifrável de cenas e situações em torno de Juan, que se mudou com a mulher e os dois filhos de alguma cidade grande no México para o campo.

Essa vida rural tem seus momentos bons (de felicidade familiar) e ruins (os grandes fazendeiros que promovem desmatamentos ou os caseiros que planejam um assalto à casa). À maneira do tailandês “Tio Boonmee...”, uma espécie de diabo, mostrado apenas como uma silhueta vermelha, entra sorrateiro na casa da família à noite.

“Trato apenas de compartilhar o que vivo, sinto e imagino. Me sinto livre em todos os sentidos. Às vezes até tento fazer um filme mais fácil, mas não consigo”, explicou o diretor, que disse não ligar para as vaias na sessão. “Não me importa o que a imprensa pensa de mim. Se não gostarem dos meus filmes, isso pode até ser positivo. Meu objetivo não é agradar o máximo de gente possível. Me interessa que algumas pessoas possam ser tocadas pelo filme”.

“Post Tenebras Lux” é certamente um filme mais difícil de compreender do que o seu filme anterior, o transcendental “Luz Silenciosa”. Sequências de passado, presente e futuro misturam-se a momentos de fantasia, sonho ou imaginação de um dos personagens. A abertura sensacional acompanha uma menina que brinca com vacas no pasto, enquanto uma forte tempestade se aproxima. Em outra sequência, que mais parece um sonho, o casal entra numa sauna povoada de casais em diferentes salas para praticar swing. Como indica o título, o sublime e o mundano, luz e trevas, convivem lado a lado.

Queridinho do Festival de Cannes, Reygadas apresentou todos os seus quatro longas-metragens no Festival. Seu primeiro filme, “Japón” (2002), ganhou uma menção especial do prêmio Caméra d’Or, para diretores estreantes. Em 2007, “Luz Silenciosa” ganhou o Prêmio do Júri.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo