Filmes e séries

Diretor leva ex-rebeldes líbios e insurgentes sírios ao tapete vermelho de Cannes

Da AFP

25/05/2012 13h24

Para simbolizar "a passagem da bandeira da liberdade" de ex-rebeldes líbios para insurgentes sírios em guerra, Bernard-Henri Lévy, conhecido filósofo, chegou a Cannes acompanhado nesta sexta-feira (25) de veteranos líbios e de dois opositores do regime de Damasco.

O filósofo previu e anunciou que convidados líbios, que havia conhecido no ano passado durante os combates, entrariam ao seu lado no tapete vermelho para a exibição de seu documentário "O juramento de Tobruk", na seleção oficial do festival.

Além destes ex-rebeldes, agora membros da nova elite líbia, dois sírios saíram clandestinamente do seu país, através de países vizinhos, para subir as escadas nesta sexta-feira à noite, juntamente com a equipe do filme.

Por medo de represálias contra suas famílias, pediram para permanecer anônimos e mascarados durante a coletiva de imprensa em Cannes, rosto e cabeça escondidos sob enormes óculos escuros e bandeiras da "Síria Livre".

"Eles estavam na Síria há algumas horas, saíram ilegalmente (...) e assumiram riscos insanos para estar conosco esta noite", disse Levy.

O escritor convidou os espectadores para assistir "O juramento de Tobruk", "documentário pessoal, portanto, subjetivo" como "um filme de cinema deve ser". "Mas eu peço que o assistam com uma dupla visão: o olhar de uma guerra ganha e a aparência de uma tragédia em curso", acrescentou.

Passagem da tocha de rebeldes
Na quinta-feira à tarde, por trás das cortinas de um escritório de Paris, no piso térreo de um edifício, os líbios e sírios se conheceram na presença de um repórter da AFP.

Em árabe, Suliman Fortia, herói da fortaleza rebelde líbia de Misrata, explicou aos dois sírios que "Bernard-Henri Levy foi a primeira pessoa a chegar na Líbia. O que aconteceu foi graças a ele, pois conhecia Sarkozy".

"Desejo-lhes a mesma coisa. Assad é um tirano como Kadhafi, temos que derrubá-lo... Minha família tem lutado por 36 anos, precisam ter coragem".

Em inglês, idioma que alguns entre eles compreendem, Levy disse: "Nas Olimpíadas, existe uma coisa chamada a passagem da tocha. Eu quero que amanhã, em Cannes, vocês passem a tocha do que fizeram para nossos amigos sírios. Este é o significado do nosso encontro. Vocês têm a chama da liberdade, vocês vão passá-la aos nossos irmãos sírios".

Um dos dois sírios, agora um oficial dos grupos rebeldes, às lágrimas, saiu da sala. Antes de voltar para que, na tela, todo mundo visse o "Juramento de Tobruk".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo