Filmes e séries

Diretor de "Kaboom", filme de temática LGBT, diz que a era da homofobia está no fim

Divulgação
Cena do filme "Kaboom", de Gregg Araki, que estreia nesta sexta (8) Imagem: Divulgação

James Cimino

Do UOL, em São Paulo

08/06/2012 08h00

 

Famoso no circuito alternativo do cinema (especialmente entre o público LGBT), o diretor Gregg Araki traz ao Brasil, a partir desta sexta-feira (8), seu novo longa: "Kaboom", que retrata a rotina de Smith (Thomas Dekker). O rapaz é um universitário que passa mal com seu companheiro de quarto que está sempre pelado, mas que, mesmo assim, não se prende a rótulos sexuais e transa sistematicamente com London (Chris Zylka), uma garota atirada que adora levar gays para a cama.

Durante uma das inúmeras festas de sua faculdade, Smith come uns biscoitos alucinógenos e passa a acreditar que presenciou um assassinato cometido por uma seita misteriosa que tem como objetivo acabar com a humanidade. A partir daí, a trama fica cada vez mais "alucinante", com flashes de delírio, outros de realidade, o que leva o espectador a nunca saber exatamente se a viagem de ácido de Smith nunca terminou ou se o que está acontecendo é realmente o prenúncio do fim dos tempos.

Aplaudido de pé em Cannes, o filme tem como premissa principal retratar a nova geração de jovens disposta a experimentar todas as possibilidades que o pansexualismo e as drogas lhes oferecem. Mas o grande “plot” é mesmo a ideia do Apocalipse e porque esse é um sentimento tão presente no ano de 2012, seja na música, no cinema ou no comportamento da humanidade.

O diretor conversou por e-mail com o UOL – Cinema e falou um pouco sobre o que significa exatamente a sua nova história e também sobre como, em sua visão, os homofóbicos desaparecerão em breve. Leia a entrevista:

UOL – Em sua opinião, “Kaboom” é sobre o fim do mundo ou sobre o nascimento de uma nova geração?

Gregg Araki – Eu adoro o fato de “Kaboom” ter um final apocalíptico, porque, de alguma forma, há um senso de humor e otimismo em tudo isso. Eu não quero destacar tanto assim o final, mas quando a última imagem foi ao ar no lançamento do filme em Cannes, todo o público se levantou e aplaudiu. Foi um momento único na minha vida, porque era exatamente o meu sentimento sobre o final. Há um tipo de celebração punk rock nisso tudo.

Seus personagens são muito liberais em relação a sexo, drogas e moralidade. Por que o senhor escolhe esse tipo de composição para os protagonistas? Você acha que eles são o futuro da civilização?

“Kaboom” é também sobre os momentos de transição de sua vida. Você ainda está crescendo, aprendendo, tornando-se aquela pessoa que você será um dia. É sobre sexo, amor, experiência, dor, alegria, diversão, coração partido, todas aquelas noites loucas que você viveu quando era jovem e que, no futuro, você pensa: ‘Uau! Como eu sobrevivi àquilo?’ A vida nunca mais será essa que o filme retrata para aqueles personagens, que consequentemente ficarão velhos, se casarão, escalarão o Everest, se tornarão viciados em drogas ou serão eleitos à presidência da República.

Como o senhor acha que o mundo acabará?

Eu espero que o mundo não acabe, porque ainda há muito a se viver, muita beleza e muitas experiências a apreciar.

Recentemente, o presidente Obama afirmou seu apoio ao casamento gay nos EUA, mas alguns setores religiosos, inclusive entre pastores negros, criticaram sua decisão e ameaçaram fazer campanha contra sua reeleição. O que o senhor pensa disso?

Eu não classifico as pessoas entre negros, broncos, gays ou heteros. Há homofóbicos brancos e há homofóbicos negros. Qualquer que seja sua cor, os homofóbicos são apenas pessoas preconceituosas agindo por medo e ignorância e não têm lugar em uma sociedade civilizada. Felizmente, seu tempo está passando conforme o mundo se torna mais livre, aberto e igualitário a cada ano.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo