Filmes e séries

Diretora, escritora e roteirista Nora Ephron morre aos 71 anos

Cindy Ord/Getty Images
A cineasta, roteirista e escritora Nora Ephron durante evento em Nova York (11/4/2012) Imagem: Cindy Ord/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

26/06/2012 21h11Atualizada em 26/06/2012 21h59

A diretora, escritora e roteirista Nora Ephron morreu aos 71 anos nesta terça-feira (26). A notícia foi dada pelo jornal "Washington Post" e logo confirmada por outros veículos. O agente da cineasta, Bryan Lourd, havia dito mais cedo à rede de TV ABC que ela estava "muito doente com leucemia".

As notícias sobre a morte de Nora surgiram depois que a colunista e amiga próxima de Nora, Liz Smith, postou no site Wowowow.com um obituário prematuro da cineasta. De acordo com o site da revista "The Hollywood Reporter", Liz teria falado com o filho de Nora, Jacob Bernstein, que teria confirmado o grave estado de saúde da cineasta. "Me disseram esta manhã que ela está morrendo, mas não posso confirmar", disse Liz. Segundo a colunista, a família já estaria planejando o funeral. No momento em que a notícia se espalhou, a cineasta ainda estaria viva.

Vida e carreira

Conhecida por suas comédias românticas, Nora dirigiu e escreveu "Julie & Julia" (2009), "Mens@gem pra Você" (1998) e "Sintonia de Amor" (1993) e foi responsável pelo roteiro de "Harry & Sally - Feitos um Para o Outro" (1989).

Nora recebeu sua primeira indicação ao Oscar em 1984, pelo roteiro de "Silkwood - O Retrato de uma Coragem", que ela escreveu com Alice Arlen, estrelado por Meryl Streep. Ela foi indicada novamente em 1990, por "Harry & Sally - Feitos um Para o Outro", sucesso de bilheteria estrelado por Billy Crystal e Meg Ryan. Nora compartilhou mais uma indicação em 1994 por "Sintonia de Amor", estrelado novamente por Meg Ryan, ao lado de Tom Hanks.

Atualmente, a cineasta trabalhava em dois projetos, um filme biográfico sobre a cantora Peggy Lee que ela escreveu e dirigiria, com Reese Witherspoon, e "Lost in Austen", que ela adaptou e assinou contrato para dirigir em abril.

Nora começou como jornalista em Nova York, publicando o furo em 1966 de que Bob Dylan havia casado em segredo, enquanto trabalhava para o "New York Post". Ela se tornou mais conhecida como colunista da revista "Esquire" e com o sucesso de diversos livros.

Seu segundo casamento, com o jornalista Carl Bernstein (do escândalo de Watergate), levou indiretamente a sua carreira como cineasta, quando ajudou a reescrever o roteiro do filme "Todos os Homens do Presidente", baseado no livro de Bernstein e Bob Woodward. Seu trabalho não foi utilizado, mas fez com que lhe oferecessem o roteiro de um filme de TV.

O sucesso de "Harry & Sally - Feitos um Para o Outro" impulsionou a carreira de Nora em Hollywood e ela fez sua estreia como diretora em um pequeno filme, que também escreveu, chamado "This Is My Life", em 1992. No ano seguinte, dirigiu seu filme de maior visibilidade, "Sintonia de Amor", que foi muito bem nas bilheterias.

Nascida em Nova York, Nora era filha dos roteiristas Henry e Phoebe Ephron. A família mudou-se para Beverly Hills quando Nora tinha 4 anos. Ela foi casada três vezes, a primeira com o escritor Dan Greenburg e a segunda com Bernstein. Ela deixa seu terceiro marido, o escritor Nicholas Pileggi, dois filhos com Bernstein, Jacob e Max, e as irmãs Delia e Amy, ambas roteiristas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo