Filmes e séries

"Adorar um livro não é passaporte para uma adaptação", diz Walter Salles sobre "Na Estrada"

Estefani Medeiros/UOL
Alice Braga e Walter Salles na entrevista coletiva de "Na Estrada" (2/7/12) Imagem: Estefani Medeiros/UOL

Estefani Medeiros

Do UOL, em São Paulo

02/07/2012 12h46

O diretor Walter Salles disse nesta segunda-feira (2) que precisou de cinco anos para conseguir investimento para o filme "Na Estrada", que estreia no dia 13 de julho no Brasil. "Adorar um livro não é passaporte para uma boa adaptação", disse Salles, em São Paulo, ao lado da atriz Alice Braga, que faz parte do elenco do filme. Adaptado do famoso livro de Jack Kerouac, "Na Estrada" conta a aventura de dois amigos escritores que decidem pôr o pé na estrada e cruzar os Estados Unidos dos anos 50 para viver novas experiências.

Trailer de "Na Estrada"

Segundo Salles, a ideia inicial era fazer um documentário sobre Kerouac e a geração beat, pois não viveu essa cultura de drogas e libertação sexual. "Reencontrei pessoas que viveram essa época e pessoas influenciadas pelos livro, como [o diretor] Wim Wenders. Foi incrível. Conheci pessoas de 80 anos ainda jovens", acrescentou. Mesmo com a mudança de ideia, Salles continuou produzindo o documentário e pretende lançá-lo até o final deste ano. "É um documentário sobre tornar um filme possível".

A atriz Alice Braga, que atua no longa ao lado de estrelas como Kristen Stewart, Kirsten Dunst e Viggo Mortensen, disse que quase chorou ao ser convidada integrar o elenco. "Walter sempre foi uma referência. Sempre foi um sonho trabalhar com ele. É alguém que faz diferença no nosso cinema. Quando ele me mandou e-mail, quase comecei a chorar. Eu sabia que era um projeto importante".

"Kristen Stewart é grande atriz da geração", diz Alice

Alice e Walter também falaram sobre o desempenho de Kristen Stewart (Saga "Crepúsculo") como uma das protagonistas de "Na Estrada". O diretor contou que o convite foi feito antes de Stewart atuar no fenômeno adolescente sobre vampiros. "A ideia era fazer o filme com atores que estavam começando", disse ele. "Quando a encontrei pela primeira vez, ela disse que adoraria fazer. Os anos passaram, ela disse que continuava sendo seu livro de cabeceira e que gostaria de fazer o papel".

Alice confirmou que Walter "descobriu" Kristen antes da saga "Crepúsculo" e que espera que as pessoas deixem de associa-la ao universo teen. "Ela é uma atriz completa desde pequena e mostra muito além da menina do 'Crepúsculo'. Espero que deixem de associa-la a um ídolo teen e que passem a vê-la como grande atriz de sua geração". 

Kristen Stewart vive Marylou, a amante liberal do jovem Dean Moriarty (Garrett Hedlund) – inspirados no poeta beat Neal Cassady e sua amante Luanne Henderson.

A atriz encara cenas ousadas de sexo a três e nudez – numa das cenas mais memoráveis, ela e os dois amigos estão nus no carro enquanto viajam de carro pelas estradas desertas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
Topo