Cinema

Com início nesta quarta (29), Festival de Veneza fica entre a tradição e o pop para recuperar prestígio

Reprodução/Montagem
À esquerda, James Franco e Vanessa Hudgens em "Spring Breakers"; à direita, Philip Seymour Hoffman em "The Master" imagem: Reprodução/Montagem

Do UOL, em São Paulo*

O Festival de Veneza 2012 começa nesta quarta-feira (29), com uma seleção de nomes consagrados, como Brian de Palma, Paul Thomas Anderson, Terrence Malick, Takeshi Kitano e Marco Bellochio, bem como atrações mais pop, como os filmes "At Any Price", com Zac Efron, e "Spring Breakers", com Selena Gomez e Vanessa Hudgens.

O evento abre com a exibição do thriller político "The Reluctant Fundamentalist", dirigido pela indiana Mira Nair, baseado em best-seller homônimo de Mohsin Hamid. Ambientado durante o 11 de setembro de 2001, em Nova York, o filme narra as contradições entre o Oriente e o Ocidente por meio de um jovem paquistanês que persegue o sucesso em Wall Street.

Da mostra competitiva, os filmes mais esperados são "The Master", de Paul Thomas Anderson (de "Magnólia"), que trata de um culto religioso que se assemelha com a Cientologia, e "Passion", de Brian de Palma ("Os Intocáveis" e "Scarface"), sobre uma jovem executiva que planeja vingança depois que sua chefe e mentora rouba uma ideia sua; o longa também concorre ao prêmio LGBT de Veneza.

Em "At Any Price", de Ramin Bahrani, Zac Efron é Dean, filho de um moderno agricultor que pretende tornar-se piloto profissional.

Com James Franco e as heroínas teens Selena Gomez e Vanessa Hudgens, "Spring Breakers", de Harmony Korine, mostra a história de quatro garotas que pretendem ganhar dinheiro roubando uma lanchonete para passar as férias. O plano não dá certo e elas são presas, até receberem a ajuda do bandido Alien.

Fora de competição, serão exibidos "The Company You Keep", de Robert Redford, com Shia LaBeouf; "O Gebo e a Sombra", de Manoel de Oliveira; "Bad 25", de Spike Lee; "Carmel", de Amos Gitai; e "Enzo Avitabile Music Life", de Jonathan Demme, filme que encerra o evento.

O curta-metragem brasileiro "O Afinador", de Fernando Camargo e Matheus Parizi, também participa do festival na mostra competitiva "Horizontes". Ao todo, 50 filmes estreiam no evento, que vai até o dia 8 de setembro.

No ano em que celebra seu 80º aniversário, o festival, que é realizado no Lido, compete com Toronto para atrair os melhores filmes e os maiores astros para seu tapete vermelho. Além dos concorrentes internacionais, Veneza concorrerá também com o novato Festival de Roma, que será realizado em novembro. Os preços elevados da cidade e a difícil infraestrutura no Lido acabam favorecendo os rivais.

Veja os filmes que serão exibidos em Veneza:

Em Competição (Venezia 69):

"Après Mai", de Olivier Assayas (França);
"At Any Price", de Ramin Bahrani (EUA);
"Bella Addormentata", de Marco Bellocchio (Itália, França);
"La cinquième saison", de Peter Brosens e Jessica Woodworth (Bélgica, Holanda, França);
"Fill the Void" (Lemale Et Ha’Chalal), de Rama Burshtein (Israel);
"È stato il figlio", de Daniele Ciprì (Itália, França);
"Un giorno speciale", de Francesca Comencini (Itália);
"Passion", de Brian de Palma (França, Alemanha);
"Superstar", de Xavier Giannoli (França, Bélgica);
"Pieta", de Kim Ki-Duk (Coreia do Sul);
"Outrage Beyond", de Takeshi Kitano (Japão);
"Spring Breakers", de Harmony Korine (EUA);
"To the Wonder", de Terrence Malick (EUA);
"Thy Womb" (Sinapupunan), de Brillante Mendoza (Filipinas);
"Linhas de Wellington", de Valeria Sarmiento (Portugal, França);
"Paradise: Faith" (Paradies: Glaube), de Ulrich Seidl (Áustria, França, Alemanha);
"Betrayal" (Izmena), de Kirill Serebrennikov (Rússia);

Fora de Competição:

"L’homme qui rit", de Jean-Pierre Ameris (França, República Tcheca);
"Love is All You Need" (Den skaldede frisør), de Susanne Bier (Dinamarca, Suécia);
"Cherchez Hortense", de Pascal Bonitzer (França);
"The Tightrope", de Simon Brook (França, Itália);
"Enzo Avitabile Music Life", de Jonathan Demme (Itália, EUA);
"Tai Chi 0", de Stephen Fung (China);
"Lullaby to My Father", de Amos Gitai (Israel, França, Suíça);
"Penance" (Shokuzai), de Kiyoshi Kurosawa (Japão);
"Bad 25", de Spike Lee (EUA);
"The Reluctant Fundamentalist", de Mira Nair (Índia, Paquistão, EUA);
"O Gebo e a Sombra", de Manoel de Oliveira (Portugal, França);
"The Company You Keep", de Robert Redford (EUA);
"Bait 3D" (Shark), de Kimble Rendall;
"Disconnect", de Henry-Alex Rubin (EUA);
"The Iceman", de Ariel Vromen (EUA);
"Anton’s Right Here" (Anton tut ryadom), de Lyubov Arkus (Rússia);
"It Was Better Tomorrow" (Ya Man Aach), de Hinde Boujemaa (Tunísia);
"Clarisse", de Liliana Cavani (Itália);
"Sfiorando il muro", de Liliana Cavani e Luca Ricciardi (Itália);
"Carmel", de Amos Gitai (Israel, França e Itália);
"El impenetrable", de Daniele Incalcaterra e Fausta Quattrini (Argentina, França);
"Medici con l’Africa", de Carlo Mazzacurati (Itália);
"Witness: Libya", de Abdallah Omeish (EUA);
"La Nave Dolce", de Daniele Vicari (Itália, Albânia).

Mostra "Horizontes":

"Wadjda", de Haifaa Al Mansour (Arábia Saudita, Alemanha);
"The Paternal House" (Khanéh Pedari), de Kianoosh Ayari (Iran);
"I Also Want It" (Ja Tozhe Hochu), de Alexey Balabanov (Rússia);
"Gli equilibristi", de Ivano De Matteo (Itália, França);
"L’intervallo", de Leonardo Di Costanzo (Itália, Suíça, Alemanha);
"Winter of Discontent" (El Sheita Elli Fat), de Ibrahim El Batout (Egito);
"Tango Libre", de Frédéric Fonteyne (Bélgica, França, Luxemburgo);
"The Cutoff Man" (Menatek Ha-Maim), de Idan Hubel (Israel);
"Fly with the Crane" (Gaosu tamen, wo cheng baihe qu le), de Li Ruijun (China);
"A Hijacking" (Kapringen), de Tobias Lindholm (Dinamarca);
"Leones", de Jazmin Lopez (Argentina, França, Holanda);
"Bellas Mariposas", de Salvatore Mereu (Itália);
"Low Tide", de Roberto Minervini (EUA, Itália, Bélgica);
"Boxing Day", de Bernard Rose (Reino Unido, EUA);
"Yema", de Djamila Sahraoui (Argélia, França);
"Araf - Somewhere in Between" (Araf), de Ye?im Ustaoglu (Turquia, França, Alemanha);
"The Millennial Rapture" (Sennen no Yuraku), de Koji Wakamatsu (Japão);
"San Zi Mei" (Three Sisters), de Wang Bing (França, Hong Kong, China);
"Diamond Sutra", de Tsai Ming-liang (Taipé);

Horizonte - Curtas:

"Las manos limpias", de Carlos Armella (México);
"The Flute" (Bansulli), de Min Bham (Nepal);
"O Afinador", de Fernando Camargo e Matheus Parizi (Brasil);
"Resistence", de Renate Costa e Salla Sorri (Dinamarca, Finlândia, Paraguai);
"La Sala", de Alessio Giannone (Itália);
"Marla", de Nick King (Australia);
"Miracle Boy", de Jake Mahaffy (EUA);
"Living Still Life", de Bertrand Mandico (França, Bélgica, Alemanha);
"Frank-Étienne vers la béatitude", de Constance Meyer (França);
"I'm the One", de Paola Morabito (Australia);
"Luisa no está en casa", de Celia Rico Clavellino (Espanha);
"Cargo", de Calo Sironi (Itália);
"Invitation" (Cho-De), de Yoo Ming-young (Coreia do Sul);
"Out of Frame" (Titloi Telous), de Yorgos Zois (Grécia).

(Com agências de notícias)

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo