Filmes e séries

Diretor quer repetir sucesso de "Qualquer Gato Vira-Lata" com thriller de baixo orçamento

Dan Behr/Divulgação
Em "Isolados", Bruno Gagliasso é o psiquiatra Lauro e Regiane Alves, sua namorada Renata Imagem: Dan Behr/Divulgação

Fabíola Ortiz

Do UOL, no Rio

07/09/2012 12h05

Com baixo orçamento, o longa “Isolados”, estrelado e produzido por Bruno Gagliasso, aposta em um gênero pouco explorado no cinema nacional - um thriller psicológico - com inspiração nos suspenses “O Iluminado”, “A Ilha do Medo”  e “O Sexto Sentido”. O diretor da produção, Tomás Portella, que atingiu mais de um milhão de espectadores em 2011 com a comédia romântica “Qualquer Gato Vira-Lata”, explora desta vez o viés do suspense e sonha em alcançar o mesmo público, concorrendo com americanos de grande bilheteria.

Fiz várias sessões de terapia, a personagem me dava medo e angústia

Regiane Alves, que interpreta a paciente Renata em "Isolados"

“O filme é um thriller de suspense psicológico e a gente está apostando profundamente no gênero. A gente foge dos chavões que incomodam nos clássicos do suspense. O Brasil tem condições totais de realizar filmes de suspense bem feitos. O longa tem tudo o que um filme de suspende prevê”, afirmou Portella em coletiva de imprensa na noite desta quinta-feira (6), durante visita do UOL ao set de filmagens na região serrana do Rio.

Para o realizador, apesar de ser um filme de baixo orçamento que não ultrapassa R$ 1 milhão e contar com uma equipe pequena (não mais do que 50 profissionais no set), o grupo é “altamente qualificado”. “O brasileiro consome bastante thriller de suspense, não faltam fãs para este gênero. Por que, então, não consumir o nosso?”, questiona Portella.

Enquanto as produções hollywoodianas tem mais dinheiro, “a gente tem mais imaginação”, garante o diretor. "Estamos encontrando maneiras de fazer um filme com menos dinheiro, mas com tanta qualidade quanto eles”, assegura. A produção ainda não tem data para lançamento, mas a equipe prevê que “Isolados” entre em cartaz no segundo semestre de 2013, antes do Festival de Cinema do Rio.

Gravado em tempo recorde

Além de baixo custo, o filme foi idealizado e rodado em tempo recorde. O roteiro elaborado pela filha do ator José Wilker, Mariana Vielmond, foi finalizado em maio e as cenas rodadas durante três semanas nos meses de agosto e setembro. A previsão é concluir as filmagens na próxima quarta-feira, dia 12 de setembro.

No elenco, Bruno Gagliasso interpreta o psiquiatra Lauro e a atriz Regiane Alves, Renata, a namorada, uma insegura artista plástica paciente da clínica onde Lauro trabalha. Com o relacionamento abalado, o casal decide alugar uma casa na serra,  uma espécie de refúgio de férias para descansar.

O psiquiatra ouve boatos de ataques violentos que vêm acontecendo na região, mas esconde o fato de Renata. Mas o perigo começa a ficar cada vez mais próximo e o isolamento do casal torna a situação insustentável, numa trama de suspense psicológico.

‘Fiz várias sessões de terapia’, conta Regiane Alves

Junto com o suspense, o thriller tem cenas picantes de sedução entre os dois protagonistas, Bruno Gagliasso e Regiane Alves. Regiane conta que teve medo de encarnar a personagem Renata, uma mulher perturbada com surtos psicológicos, e teve que recorrer a sessões de terapia para ajudá-la a construir o papel.

“Quando li o roteiro foi a noite que eu não dormi. Nunca tive um personagem desse no cinema que tem uma forte carga dramática. Fiz várias sessões de terapia, a personagem me dava medo e angústia. Tem várias cenas que são difíceis, e a insegurança faz parte. Ontem eu até tive um pesadelo e sonhei que estava perdida na floresta”, admitiu Regiane.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Topo