Filmes e séries

Com leveza, "Thanks for Sharing" mostra a difícil vida dos viciados em sexo

Grosby Group
Gwyneth Paltrow e Mark Ruffalo se beijam durante gravação do filme "Thanks for Sharing" (11/10/2011) Imagem: Grosby Group

Mariane Morisawa

Do UOL, em Toronto

09/09/2012 23h38

O alcoolismo é um assunto comum no cinema. O vício em sexo, porém, carrega um estigma maior. Pura sem-vergonhice, dizem alguns. Mas "Thanks for Sharing" ("obrigado por compartilhar", na tradução literal), estreia na direção de Stuart Blumberg, roteirista de "Minhas Mães e Meu Pai", quer mostrar que não é bem assim.

Mark Ruffalo, ator número 1 para interpretar caras decentes, é Adam, que está "limpo" há 5 anos, frequentando reuniões dos Viciados em Sexo Anônimos, parecido com o Alcoólicos Anônimos. Isso significa sem sexo, sem masturbação, sem ligar a televisão ou a internet, fontes de tentação. Todos os dias, quando sai à rua, precisa se controlar. Sua vida fica um pouco mais complicada quando conhece a aparentemente perfeita Phoebe (Gwyneth Paltrow), sobrevivente de câncer de mama e triatleta. Afinal, explicar para sua namorada que você é um viciado em sexo e pode perder o controle é um tanto complexo.

O padrinho de Adam nas reuniões é Mike (Tim Robbins), cheio de frases de efeito para ajudar os outros, mas incapaz de auxiliar o próprio filho (Patrick Fugit), que se envolveu com drogas. Outro dos frequentadores da associação é o médico Neil (Josh Gad), que vive uma fase incontrolável, encostando-se em mulheres no metrô e filmando a própria chefe. Quando chega quase ao fim da linha, encontra força e vê que não tem saída a não ser seguir os passos do programa. Chega a ajudar outros frequentadores, como Dede (a cantora Pink).   

"Thanks for Sharing" leva a sério o papel de tratar o vício em sexo como doença  e algo realmente difícil de combater, pois até andar na rua representa um risco. Mas a pegada é leve, com boas frases, como “Nossa, agora você ficou todo Jack Bauer para cima de mim”, que Dede diz a Neil quando ele grita para evitar que ela se renda a seu desejo. Mas o roteiro e a direção levam algumas cenas longe demais, num exagero que acaba prejudicando o filme.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Topo