Filmes e séries

Bill Murray entra na lista de cotados ao Oscar por "Hyde Park on Hudson"

Chris Pizzello/Invision/AP
O ator Bill Murray posa para fotos no Toronto Film Festival. O ator está no filme "Hyde Park on Hudson", que será exibido no festival (9/9/12) Imagem: Chris Pizzello/Invision/AP

Mariane Morisawa

Do UOL, em Toronto

10/09/2012 19h00

Com o sucesso de “O Discurso do Rei”, está na moda falar daquele período histórico. O rei George 6º volta a aparecer em “Hyde Park on Hudson”, de Roger Michell, exibido para jornalistas no domingo (9), no Festival de Toronto. 

O filme tenta ampliar um pouco o espectro, em vez de contar apenas uma história doméstica. Desta vez, na verdade, o protagonista é Franklin Delano Roosevelt (Bill Murray), o presidente americano a quem o rei foi pedir apoio, 12 semanas antes de estourar a Segunda Guerra Mundial. George 6º (Samuel West) e a rainha Elizabeth (Olivia Colman) vão visitá-lo em uma residência de campo, onde mora com a mãe, em Hyde Park – como o parque londrino, o que a rainha considera “confuso”.

As diferenças culturais logo ficam evidentes: há um piquenique em que será servido cachorro-quente, e a primeira-dama Eleanor Roosevelt (Olivia Williams) insiste em chamar Sua Majestade pelo primeiro nome. Ali costura-se uma aliança com vistas à guerra, e os dois homens descobrem ter várias coisas em comum. No mínimo, entendem suas desvantagens, Roosevelt com as consequências da poliomielite, o rei com sua famosa gagueira.



“Hyde Park on Hudson”, no entanto, sai da trama íntima ao fazer um paralelo evidente entre a Depressão da década de 1930 e a crise econômica de hoje. Na época, Roosevelt interveio para tirar os Estados Unidos do buraco, uma discussão que está na pauta do dia.

Mas o longa é também uma busca por desmistificar Roosevelt, considerado um dos maiores presidentes americanos. Ele é apresentado como uma grande raposa política e um mulherengo capaz de manter três amantes ao mesmo tempo, inclusive sua prima distante, a reservada Margaret (Laura Linney). Com grandes atuações de Bill Murray e Laura Linney, desde já candidatos ao Oscar, a produção é agradável de ver, mas tenta ser mais complexa que “O Discurso do Rei”. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Topo