Cinema

Filme "Frances Ha" é "bromance" para garotas

Getty Images
A atriz Greta Gerwig (10/9/2011) imagem: Getty Images

Mariane Morisawa

Especial para o UOL, de Toronto

Não faltam comédias sobre homens com dificuldades de crescer. “Frances Ha”, escrito pela atriz Greta Gerwig e por Noah Baumbach (de “A Lula e a Baleia”) e dirigido por ele, fala da imaturidade da protagonista, interpretada por Greta.

Ela vive com sua melhor amiga, Sophie (Mickey Sumner, filha de Sting), num apartamento no bairro bacana do Brooklyn, em Nova York. Frances brinca que elas são como um casal de muito tempo, que não faz mais sexo. A questão aqui não é essa – as duas formam uma versão feminina de um “bromance”, como nas produções de Judd Apatow.

Quando Sophie se muda, para viver num apartamento mais legal em Tribeca, a personagem-título fica à deriva. Vai dividir o apartamento com os desconhecidos Lev (Adam Driver, de “Girls) e Benji (Michael Zegen). Para piorar, ela vê seu sonho de ser dançarina destroçado. Precisa se reinventar.

A história de “Frances Ha” tem um quê de “Girls”, o seriado da HBO que todo o mundo comenta. Afinal, as protagonistas são garotas de 20 e tantos anos, confrontadas com uma realidade em que nem sempre contempla os sonhos. E aí é preciso se ajustar.

A questão romântica, no entanto, não está presente no filme. Relacionamento, aqui, só entre as amigas. Baumbach optou por rodar em preto e branco, para o longa ganhar um ar meio “Manhattan”, de Woody Allen. Mas não se assuste: “Frances Ha”, que tem entre seus produtores o brasileiro Rodrigo Teixeira, é tão divertido, e sua protagonista, tão adorável, que você não vai nem notar. 

Topo