Filmes e séries

"O Palhaço" é o indicado brasileiro para concorrer a vaga no Oscar 2013

Divulgação
Paulo José e Selton Mello como os palhaços Puro-Sangue e Pangaré, em cena de "O Palhaço" Imagem: Divulgação

Do UOL, no Rio*

20/09/2012 12h51Atualizada em 07/11/2012 19h46

O longa-metragem "O Palhaço", dirigido pelo ator Selton Mello,  é o filme nacional indicado a concorrer a uma vaga na categoria de melhor filme estrangeiro no Oscar 2013. O anúncio foi feito na manhã desta quinta-feira (20) pela Comissão Especial de Seleção da Secretaria do Audiovisual do Ministério da Cultura, no Palácio Gustavo Capanema, no centro do Rio, após mais de duas horas de deliberações.

TRAILER DO FILME ''O PALHAÇO''

"O Palhaço" disputava a vaga com outros 15 filmes brasileiros,  entre eles “Xingu”, de Cao Hamburguer, “Billi Pig”, de José Eduardo Belmonte, “Heleno”, de José Henrique Fonseca e “Paraísos Artificiais”, de Marcos Prado.

"Foi uma escolha muito difícil. O filme 'O Palhaço' consegue aliar tanto questões de um filme autoral, como de filmes para grande público, o que é uma novidade para o cinema brasileiro', disse Flavio Tambellini, membro da Academia Brasileira de Cinema. "O longa tem bom roteiro, boa direção, bons personagens e é um sucesso de público. Une a parte do cinema com a parte dos negócios", comparou Carlos Eduardo Rodrigues, ponderando que é "difícil dizer o que os americanos vão querer ver daqui a seis meses". Para Ana Paula Dourado Santana, secretária do Audiovisual, a indicação já é um prêmio: "é um aval de que o filme pode dar mais passos e ir ainda mais longe". "Emociona como obra, mas também como questões inegáveis como as atuações de Selton e Paulo José", disse Ana Paula.

A nova ministra da Cultura, Marta Suplicy, parabenizou o ator no Twitter pela indicação. "Parabéns Selton Mello pela escolha de 'O Palhaço' para representar o Brasil no Oscar 2013", declarou.

Premiado no Festival de Paulínia – com os troféus de melhor diretor, roteiro, figurino e ator coadjuvante (Moacyr Franco) - o filme que conta a história de dois palhaços, pai (Paulo José) e filho (Selton) também representou o Brasil no Festival de Chicago e recebeu 13 indicações ao Grande Prêmio do Cinema Brasileiro que acontece no dia 15 de outubro.

Entre os internautas do UOL, "O Palhaço" também era o favorito para ser o representante brasileiro ao Oscar. Dentre os mais de 3 mil votos obtidos na enquete de UOL Cinema, 34% deles foram para o longa dirigido por Selton Mello.

Em 2011, a comissão levou poucos minutos para decidir sobre o indicado. "'Tropa de Elite 2' foi visto por 12 milhões de pessoas, o filme mais visto na história do país. Não tinha como justificar outra escolha", comparou Carlos Eduardo Rodrigues.

Os brasileiros no Oscar

A próxima cerimônia de entrega do Oscar acontece em 24 de fevereiro de 2013 e será a 85ª premiação anual promovida pela Academy of Motion Pictures Arts and Sciences. A lista com os cinco indicados para  disputar a estatueta de Melhor Filme Estrangeiro só será conhecida em janeiro de 2013. Pela primeira vez, a votação será eletrônica, o que pode aumentar as chances de filmes mais ousados. Em 2012, o filme vencedor na categoria foi o iraniano "A Separação".

"Tropa de Elite 2" foi o escolhido para representar o país na vaga a melhor filme estrangeiro no Oscar 2012, mas o longa de José Padilha não chegou a concorrer ao prêmio. Nos anos anteriores, os brasileiros indicados para uma vaga foram "Lula, o Filho do Brasil", em 2011, "Salve Geral", em 2010, "Última Parada 174", em 2009, "O Ano em que Meus Pais Saíram de Férias", em 2008, "Cinema, Aspirinas e Urubus", em 2007, e "2 Filhos de Francisco", em 2006.

Quatro filmes nacionais já foram indicados à categoria de melhor filme estrangeiro no Oscar, mas nenhum levou a estatueta: “O Pagador de Promessas”, “O Quatrilho”, “O Que é isso, Companheiro?” e “Central do Brasil”. "Central" também teve indicação ao prêmio de melhor atriz, com Fernanda Montenegro. “Cidade de Deus” concorreu em outras quatro categorias: diretor (Fernando Meirelles), roteiro adaptado, edição e fotografia. “Uma História de Futebol”, de Paulo Machline, foi indicado como melhor curta-metragem. Em 2011, a coprodução brasileira "Lixo Extraordinário" disputou a categoria de melhor documentário em 2011, vencida por “Trabalho interno” (Inside Job), de Charles Ferguson.

Os concorrentes de "O Palhaço"

Outros países já indicaram seus representantes ao Oscar 2013. O francês "Intocáveis", de Eric Toledano e Olivier Nakache,o sul-coreano "Pietà", de Kim Ki-duk, o austríaco "Amore", de Michael Haneke, e o croata  "Cannibal Vegetarian", de Branko Schmidt, estão disputando uma indicação na categoria de melhor filme estrangeiro, junto com "O Palhaço".

*com informações de Rodrigo Monteiro

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
Topo