Cinema

Festival de Brasília terá vencedores de mostra competitiva anunciados nesta segunda (24)

Divulgação
Cena de "A Última Estação", de Márcio Curi, que abriu o Festival de Cinema de Brasília imagem: Divulgação

Carolina Gonçalves

Da Agência Brasil

O público que marca presença no 45º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro vai conhecer na noite desta segunda-feira (24) a decisão dos jurados sobre quais foram os melhores filmes entre os que disputaram as cinco categorias do evento. Os prêmios das mostras competitivas somam R$ 635 mil.

VEJA LISTA DOS DEZ MELHORES FILMES

  • Divulgação

    Reportagem do UOL elege principais atrações
    do Festival de Cinema de Brasília; clique na foto

A disputa não deve ser decidida com facilidade. Na opinião do público ouvido ao longo dos últimos dias, as produções inéditas surpreenderam em qualidade, emocionaram e arrancaram gargalhadas e aplausos durante as sessões.

“Acho que este ano, os filmes estão ainda melhores. Não gosto muito da divisão dos documentários e ficção [de longas-metragens, criada este ano]. Mas é maior oportunidade de ter mais longas nas mesmas noites”, avaliou Andre Sanchez Natale, editor, montador e estudante de audiovisual.

Os nomes dos vencedores serão divulgados na Sala Villa-Lobos, do Teatro Nacional, mesmo local que abrigou as exibições da edição deste ano do festival que, tradicionalmente, é realizado no Cine Brasília. A mudança, que é provisória, foi feita em função das obras que interditaram a principal sala de cinema da capital. A novidade dividiu opiniões entre o público e os comerciantes.

A funcionária pública Carolina Azevedo de Almeida enumerou as vantagens da sede provisória do evento. “É mais central, fica perto da rodoviária que é bom para as pessoas que não têm carro. Além disso, a sala é maior”.

Mesmo reconhecendo os aspectos positivos do Teatro Nacional, frequentadores assíduos do evento como a psicóloga Nara Vieira são categóricos em relação ao Cine Brasília. “Já deu saudade de lá. Aquele cinema é incrível. Tem que voltar para lá”.

Quem trabalhou do lado de dentro da Sala Villa-Lobos precisou se esforçar mais do que durante as exibições realizadas no Cine Brasília. Marileuza Barbosa Pires, que tinha que orientar o público sobre assentos, por exemplo, disse que, desta vez, o cansaço foi um pouco maior, mas admitiu que “foi ótimo” trabalhar na edição deste ano. “O melhor é ver todo mundo feliz, os atores e públicos com tantos estilos diferentes”, explicou.

Do lado de fora, comerciantes tradicionais de edições anteriores do Festivais de Brasília lamentavam o público que, segundo eles, estava reduzido.

“Achei fraco, e acho que é por ser tradição lá [no Cine Brasília]. Tem menos pessoas, mas aqui é mais bonito. Era para ter mais gente porque é junto da rodoviária”, disse Dinalva Paixão dos Santos, a baiana do acarajé conhecida há 15 anos pelo público do evento.

O comerciante Marco Antônio Alves da Costa calcula que vendeu menos da metade do que geralmente contabiliza no Cine Brasília. “Lá é muita gente, o povo indo e voltando, era briga por estacionamento porque não tinha vaga para tanta gente. Acho que deste espaço aqui, o povo não gosta” (veja trailer abaixo do filme "Esse Amor que Nos Consome").

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo