Filmes e séries

Leandro Hassum diz que foi "prazeroso" atuar como protagonista em "Até que a Sorte Nos Separe"

Davi de Almeida/Divulgação
Leandro Hassum contracena com Danielle Winits em "Até que a Sorte Nos Separe" Imagem: Davi de Almeida/Divulgação

Letícia Mendes

Do UOL, em São Paulo

Protagonista de “Até que a Sorte nos Separe”, o comediante Leandro Hassum revelou, em entrevista concedida nesta segunda-feira (24), que está satisfeito por ter seu primeiro papel de destaque no cinema.

“Eu adorei abrir essa porta na minha carreira. Fiz participações pequenas em filmes, mas ser protagonista é um peso diferente. Foi cansativo, mas prazeroso”, conta o ator, que se sentiu mais confortável por trabalhar com o roteirista Paulo Cursino, que também escreveu o programa “Os Caras de Pau”, da Globo. “É bom ter alguém que conheça onde você vai render”.

No longa-metragem, Hassum entra em diversas encrencas, como ter que dançar a música de "Flashdance" em uma aula de aeróbica.

“Até que a Sorte nos Separe” é inspirado no best-seller “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos”, de Gustavo Cerbasi, e acompanha Tino (Leandro Hassum), que ganha na loteria e esbanja toda a sua fortuna junto de sua mulher Jane (Danielle Winits) ao longo de dez anos. Falido, ele é obrigado a aceitar ajuda de seu vizinho Amauri (Kiko Mascarenhas), um rigoroso consultor financeiro que vive problemas conjugais com sua mulher Laura (Rita Elmôr).

Quando Jane engravida do terceiro filho, Tino faz de tudo para esconder da esposa que estão na lona, já que a recomendação médica é que a grávida evite fortes emoções. Nessa missão, ele vai contar com ajuda de Adelson (Aílton Graça), seu melhor amigo, e dos filhos.

Hassum assume que é parecido com Tino na hora de lidar com as finanças domésticas, mas que melhorou depois de atuar no filme. “Na minha casa, eu sou o Tino e minha mulher é o Amauri [personagem que economiza todos os centavos]. Eu sou consumista mesmo, mas o filme me ajudou a ajudá-la”.

O ator ainda definiu como “utopia” a ideia que Tino e Jane têm no início do filme, de que não irão mudar por causa do dinheiro. “Todo mundo muda. Quando comecei minha carreira como ator, eu recortava o jornal que saía só meu nome para colocar na minha pasta. Hoje eu nem vejo se minha foto saiu no jornal”, revela.

Pela sua experiência, porém, é preciso de ajuda para “mudar positivamente” e não se deixar levar pelas facilidades da fama. “Eu fui professor de teatro de muita gente. Alguns deram uma pirada, eu percebi e falei 'baixa a bola'. Daqui a pouco você pode estar por baixo", reflete.

O protagonista da comédia também não poupa elogios ao diretor Roberto Santucci, que o deixou livre para o improviso. “O Santucci mostrou muita generosidade quando eu improviso, abrindo mão de planos para me deixar à vontade. Eu sou um ator que trabalha num ritmo muito alto, com um tom exacerbado”, conta.

O cineasta, por sua vez, retribuiu a gentileza, afirmando que era difícil ficar indifernete quando Hassum estava em cena. “Usamos de 3 a 4 câmeras para valorizar o Leandro. Era difícil conter o riso no set. Eu pedia para ninguém falar com ele antes das filmagens pra não perder o foco", confessa.

Adaptação

Transformar o best-seller “Casais Inteligentes Enriquecem Juntos” em “Até que a Sorte nos Separe” não foi uma tarefa fácil. “Eu e o [Gustavo] Cerbasi [autor do livro] achamos que não ia dar certo, mas rolou afinação desde o começo", disse o roteirista Paulo Cursino.

Para Cursino, a maior dificuldade na adaptação foi não perder o foco em meio aos personagens. “Eu tive o receio de desfocar demais, por isso restringi a história a dois casais para não virar um filme do tipo ‘O Que Esperar Quando Você Está Esperando’ [longa estrelado por Jennifer Lopez e Rodrigo Santoro]”.

Já Cerbasi destacou que desde o início foi definido que seu livro seria apenas “inspiração” para o roteiro e que ele iria ajudar em outra áreas. “O Paulo transformou o manual de finanças em comédia. Eu ajudei mais na construção do comportamento dos personagens”, contou, acrescentado que ficou emocionado com o resultado final.

“Até que a Sorte nos Separe” tem estreia prevista para 5 de outubro.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Topo