Filmes e séries

Uruguaio "La Vida Útil" debate papel do cinema e oferece dicas para leigos e iniciados

Divulgação / Vitrine Filmes
Cena do filme uruguaio "La Vida Útil", de Federico Veiroj, que estreia somente em São Paulo Imagem: Divulgação / Vitrine Filmes

Mário Barra

Do UOL, em São Paulo

28/09/2012 03h18

Poucas pessoas se arriscam a dizer qual o papel real do cinema, mas o filme uruguaio "La VIda Útil", que estreia somente em uma sala de São Paulo nesta sexta-feira (28), oferece pistas a leigos e algo a mais para pensar aos iniciados.

ETERNO APAIXONADO POR CINEMA

  • Divulgação

    O personagem Jorge se vê perdido durante "La Vida Útil" com o triste destino da cinemateca onde trabalha há 25 anos em Montevidéu, no Uruguai

Seja para notar com olho atento as técnicas empregadas no casamento entre som e imagem, simplesmente contar uma história ou servir de pretexto para convidar uma garota para sair, o cinema é celebrado nesta película de 35 milímetros e 67 minutos, dirigida por Federico Veiroj.

Quem testemunhar o filme "metalinguístico" irá encontrar o cotidiano de Jorge, um funcionário dedicado há 25 anos a uma cinemateca em Montevidéu. O espaço ameaça ser fechado por conta de oito meses de atraso no aluguel, despesas com direitos de exibição de filmes e a diminuição do patrocínio cedido por uma fundação.

Jorge ainda tenta lutar pela sobrevivência do único universo que realmente conhece na vida. Apesar da apatia do chefe Martínez, diretor da cinemateca e um cinéfilo desapegado da crítica realidade financeira do local, Jorge tenta convidar diretores e até mesmo iniciar uma campanha de donativos para salvar o lugar.

Toda a ação se situa em 2003, cem anos após o nascimento do cineasta português Manoel de Oliveira, um sinônimo de diretor independente na descrição de Jorge, e uma das figuras cultuadas no longa.

Mas a atmosfera é a de um filme antigo, sem cores e com trilha sonora empregada em momentos especiais do filme. Já a atuação muitas vezes lembra um documentário, como no caso da cena de uma reunião da diretoria da cinemateca, que traz os atores fazendo poucas caras e bocas (veja trailer abaixo). Mas para quem achar que "La Vida Útil" imita a realidade, há um aviso logo no início: a película não é sobre a Cinemateca de Montevidéu.

Como curtir cinema?
O russo Sergei Eisenstein também é lembrado durante uma explicação do diretor Martínez sobre o que é importante no cinema, transmitida aos ouvintes do programa de rádio apresentado por Jorge. Ao comentar como som e imagem se combinam no clássico "Alexandre Nevski" (1938), o diretor da cinemateca oferece uma pequena palestra sobre detalhes que passam despercebidos quando se assiste apenas uma vez a um filme.

Martínez critica a "erudição" daqueles que apenas sabem citar nomes de diretores e filmes -- como os "chatos" que preferem falar o nome da película na língua original, mesmo que ela seja da Tailândia e a pronúncia esteja toda errada. Mesmo avesso aos decoradores de plantão, o diretor encarna o clássico defensor da apreciação do "bom cinema", repetindo a velha frase sobre como é preciso assistir diversas vezes a "Cidadão Kane" (1941), de Orson Welles, para entender a estrutura inteira do filme.

VEJA TRAILER LEGENDADO DE "LA VIDA ÚTIL"

Jorge parece não prestar atenção durante alguns momentos da extensa fala do chefe, ainda que também defenda filmes e espectadores de qualidade. O funcionário apenas parece ser menos rígido quanto às exigências para receber a medalhinha de apreciador nato -- na verdade, sua mente está mais preocupada com as contas a pagar.

A parte boa de "La Vida Útil" é não sugerir que exista uma opção correta entre as duas posturas: o cinéfilo estusiasta da grande arte e o homem sem paciência para ver o mesmo longa de novo. Mesmo que seja difícil imaginar um admirador de "Os Mercenários 2" (2012) e "Ensaio de Orquestra" (1978), do italiano Federico Fellini, talvez não exista argumento que impeça essa pessoa de existir.

O próprio Jorge parece chegar a mesma conclusão, após se ver perdido pelo destino da cinemateca que tanto ama. Mergulhado entre a tristeza e a raiva, o protagonista desvenda aos poucos mais de uma utilidade para o cinema e a arte de interpretar.

Se o objetivo de Veiroj foi o de incentivar o debate, cinéfilos ou somente curiosos poderão visitar o Reserva Cultural, em São Paulo, para ver qual a conclusão de Jorge. É a oportunidade para desvendar como o cinema salvou o uruguaio. E pensar -- talvez mais uma vez na vida -- sobre o motivo de estar sentado na poltrona, com ou sem pipoca.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
Da Redação
EFE
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
EFE
do UOL
EFE
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
Topo