Filmes e séries

"Parada em Pleno Curso" mostra degradação física de doente terminal

Divulgação
Cena de "Parada em Pleno Curso", de Andreas Dresen Imagem: Divulgação

Chico Fireman

Do UOL, em São Paulo

30/09/2012 07h30

"Parada em Pleno Curso", que integra a seleção do Festival do Rio deste ano, não é um filme para qualquer um. Sem demérito para o espectador ou para a obra, que ganhou o prêmio da mostra Um Certo Olhar no Festival de Cannes do ano passado. O fato é que um longa que acompanha com riqueza de detalhes a degradação física e mental de um homem que se descobre acometido por um câncer pode não ser bem digerido por todo mundo.

O diretor Andreas Dresden adota a postura de um médico diante do assunto: parece se afastar do objeto para assumir uma posição de neutralidade diante dele. Durante quase todo o filme, ele evita a manipulação emocional, que, ao mesmo tempo, enche histórias deste tipo de maneirismos dramáticos que geralmente simplificam o material à condição de acertos de contas ao mesmo tempo que ganham a função de dar conforto ao espectador, com “lições de vida” e demonstrações de carinho.

Aqui, acontece o inverso. Dresden parece quere ser fiel à gravidade da situação, sem abrir espaço para qualquer alento. O tom adotado é o de ultrarrealismo: o filme é um retrato minucioso da transformação nas vidas do personagem principal e de sua família depois da notícia. O quê documental do filme não poupa o espectador de cenas envolvendo procedimentos de enfermagem e de momentos dolorosos que reconstituem a perda das funções de um doente terminal.

O clima de racionalização incomoda bastante, mas é o diferencial do filme. A proposta fechada do diretor sofre um abalo quando ele recorre a um artifício fantástico talvez para fugir da secura do tema. É aí que um filme cruel, sobre a degradação de um ser humano, revela que existe um homem por trás das câmeras. Alguém que precisa recorrer a uma pequena epifania para dar conta de seu trabalho.


Parada em Pleno Curso (Halt Auf Freier Strecke) / (Stopped on Track), Diretor: Andreas Dresen. Alemanha, 2011. 110 min. Mostra: PANORAMA. Leg Elet Português. 14.

28/9/2012 - Est Vivo Gávea 5 - 17:30 - GV503

30/9/2012 - Est Sesc Rio 1  - 12:15 - ER114

30/9/2012 - Est Sesc Rio 1  - 21:30 - ER118

3/10/2012 - Kinoplex Leblon 4 - 14:00 - KL021

3/10/2012 - Kinoplex Leblon 4 - 19:00 - KL023

9/10/2012 - Kinoplex Fashion Mall 2 - 16:30 - KF046

9/10/2012 - Kinoplex Fashion Mall 2 - 21:30 - KF048

* A programação é de responsabilidade da organização do Festival do Rio 2012. É recomendável checar horários e lotação no site oficial do evento ou nos telefones de informação listados.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo