Filmes e séries

Presidente da Disney International mira Nordeste brasileiro, mas descarta investir em telenovelas

Divulgação
Andy Bird, chefe da The Walt Disney International, o braço da companhia para assuntos fora dos EUA Imagem: Divulgação

Manuela Ribas

Do UOL, em Burbank (EUA)

01/10/2012 09h00

O presidente do grupo The Walt Disney International, Andy Bird, descartou mudar o perfil da empresa somente para atender a características regionais, mas destacou como é possível atrair o crescente mercado voltado ao entretenimento de países como Índia, China e Brasil. As declarações foram dadas durante palestra do executivo em um evento de apresentação da marca Disney em Burbank, nos Estados Unidos, realizado na última semana e feito especialmente para explicar com a companhia atua no mercado da América Latina

"Não temos planos para nada mais no formato de telenovela, por exemplo", assegura o presidente, lembrando da atração com o formato mais parecido com o das produções brasileiras que a Disney tem para seu público adolescente. "Estamos muito contente com o sucesso de 'Violetta' e vamos continuar apostando nesse projeto."

Em especial, o Nordeste está na mira da Disney, que também deseja explorar o universo mobile com conteúdos interativos da marca. "Queremos estratégias para atender particularmente aquela região", afirma.

Bird prefere apostar não na mudança do estilo das atrações oferecidas, mas no próprio potencial do consumidor brasileiro. "Para nós, o interessante no mercado do Brasil é o crescimento da classe C e a performance econômica", diz Bird. "Vemos resultados incríveis com nossos filmes como "Os Vingadores", da Marvel", e no consumo de nossos produtos como o 'Club Penguin'."

Mercado local
O presidente acredita que, nos últimos 10 anos, houve uma mudança no cenário global, com países como Brasil, Índia e China sendo elevados à categoria de relevantes para os propósitos da Disney -- até então, quase a totalidade da produção da empresa era feita e voltada para os Estados Unidos.

De acordo com Bird, o mercado de entretenimento atual precisa ser pensado sempre de forma local. "Passamos a pensar em criar não mais A The Walt Disney Company Brasil e sim a empresa brasileira da Disney", explica.

O executivo explica como o controle austero da China em relação a conteúdo para TV e filmes, país que possui uma regulamentação rígida para liberar até mesmo produções tidas como inofensivas como animações, dificulta os negócios da marca Disney no gigante asiático. "Nós não podemos ter Disney Channel na China, e fazemos filmes que não sabemos se poderão ser exibidos no país", diz.

Para Bird, muito mais atrante é o mercado de outro país próximo, a Índia, onde 96% dos filmes circulantes são nacionais e a população é muito atraída por filmes e TV. "Nós queremos produzir em Bollywood filmes com a marca Disney, voltados para as famílias", afirmou o presidente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo