Topo

Filmes e séries


Astro da comédia pop na década de 80, Rick Moranis chega aos 60 anos longe de Hollywood

Roberto Sadovski

Do UOL, em São Paulo

18/04/2013 05h00

Já faz mais de uma década que não vemos Rick Moranis, que chega aos 60 anos de idade nesta quinta-feira (18). Para as novíssimas gerações de fãs de cinema, seu nome precisa de uma lista de referências até encontrar um rosto. Mas não para quem cresceu nos anos de 1980: "Os Caça-Fantasmas" (1984), "A Pequena Loja de Horrores" (1986), "S.O.S. - Tem Um Louco Solto no Espaço" (1987) e "Querida, Encolhi as Crianças" (1989) são um pequeno exemplo de seu talento para criar personagens explosivos, engraçados, sempre à beira de um ataque de ansiedade, sempre prestes a entrar em pânico.

E pensar que tudo começou com um desafio ao "sistema". Moranis nasceu em Toronto, no Canadá, e começou sua carreira nos anos de 1970 como DJ --na época ele era chamado Rick Allan. Seu amigo Dave Thomas o convenceu a migrar para a TV como parte da equipe do humorístico "SCTV" --ou "Second City Television"-- em sua terceira temporada, juntando-se a performers de peso como John Candy, Eugene Levy e Harold Ramis. Quando o programa foi comprado pela rede CBS em 1980, a equipe foi obrigada a produzir ao menos dois minutos de "conteúdo tipicamente canadense" para adequar-se às regras da TV aberta do país.

Moranis e Thomas criaram então os irmãos Bob e Doug Mckenzie, que apresentavam o segmento "The Great White North" com os piores e mais ofensivos estereótipos da vida e cultura canadense. Para a surpresa da dupla, o material, improvisado ao fim de cada dia de gravações do "SCTV", tornou-se o segmento mais popular do programa, e os irmãos que falavam absurdos regados a cerveja viraram um fenômeno pop no Canadá.

A demanda por mais Bob e Doug McKenzie logo deixou as fronteiras da "SCTV" e saltou para o cinema. "A Estranha Combinação" (1983), escrito e dirigido por Moranis e Thomas, colocou os irmãos idiotas contra o dono de uma cervejaria, um cientista maluco que pretende dominar o mundo. O filme ganhou status cult e Moranis se viu com dezenas de ofertas para trocar o Canadá por Hollywood. Não demorou para ele dizer sim. Na aventura "Ruas de Fogo", que Walter Hill dirigiu em 1984, ele teve um papel pequeno e irritante: o namorado de uma cantora de rock sequestrada. Mas foi seu papel seguinte que fez dele um astro.

Harold Ramis, um veterano do "SCTV", escreveu "Os Caça-Fantasmas" com Dan Aykroyd --ao lado de Bill Murray, eles fizeram o trio de investigadores paranormais que impede o fim do mundo em Nova York. Rick Moranis surge como o contador Louis Tully, vizinho do monumento Sigourney Weaver. O sucesso acachapante de "Os Caça-Fantasmas" escancarou as portas para seu elenco, e logo Moranis se viu compondo o elenco de comédias como "Executivos em Apuros" (1985), "Chuva de Milhões" (1985) e "Clube Paraíso" (1986). "A Pequena Loja de Horrores" (1986) o colocou como protagonista, e no ano seguinte ele fez a comédia "S.O.S. – Tem Um Louco Solto no Espaço", de Mel Brooks, antes de se reunir com a turma de seu maior sucesso em "Os Caça-Fantasmas 2" (1989).


Vida em turbulência
Quando "Querida, Encolhi as Crianças" (em que ele faz o inventor Wayne Szalinski) chegou aos cinemas em 1989, Moranis tinha sua vida pessoal em turbulência. Sua mulher, Ann Belsky, fora diagnosticada com câncer de mama, e perdeu a batalha contra a doença em 1991. Com dois filhos pequenos, Moranis se viu mais e mais inclinado a tirar férias e dedicar-se a ser um pai solteiro.

Em 1994, "Os Flintstones" terminou sendo seu último grande sucesso, e quando lançou direto em vídeo "Querida, Encolhi a Gente", em 1997, ele decidiu dar um tempo. A idéia era tirar um ou dois anos sabáticos, mas Moranis percebeu que o estilo de vida de Hollywood não lhe fazia a menor falta. Os diálogos rápidos e a comédia improvisada que o levaram a trilhar a carreira artística em primeiro lugar deram espaço a exigências de executivos e um esquema industrial no qual ele não se encaixava.

Curiosamente, seus trabalhos mais recentes só usaram sua voz. Ele retomou a parceira com Dave Thomas emprestando a voz a um par de alces na animação "Irmão Urso", de 2003 (e sua sequencia de 2006) e gravou o álbum "The Agoraphobic Cowboy" em 2005. Também com Dave Thomas, Moranis gravou mais esquetes dos irmãos McKenzie para os 24 anos da dupla em 2007, mas não trabalhou na séria animada lançada em seguida.

A nostalgia dos anos de 1980 bateu forte quando "Os Caça-Fantasmas" se reuniram para um jogo de videogame de 2008, e Rick terminou como o único integrante do elenco original que não quis participar da empreitada. Com os boatos sobre um terceiro filme circulando desde então, ele também parece fora da festa, com sua ausência do projeto confirmada por Harold Ramis.

Aos 60 anos, Rick Moranis acumula um legado incrível no cinema pop. Mas preferiu a vida de uma pessoa comum.