Cinema

Estagiários do filme "Cisne Negro" ganham processo contra a Fox por trabalho sem remuneração

Do UOL, em São Paulo

Dois estagiários que trabalharam no filme "Cisne Negro" (2010) ganharam uma ação contra a Fox, alegando que realizaram um trabalho braçal, com pouco ou nenhum valor educativo, que deveria ter sido feito por trabalhadores remunerados. As informações são do site The Holywood Reporter.

A lei norte-americana deixa claro que estagiários não remunerados devem ganhar o benefício educacional de sua experiência de trabalho e que não podem ser usados para substituir trabalhadores remunerados regulares.

O juíz federal William Pauley determinou que os estagiários eram de fato "funcionários" da Fox, estúdio que supervisionou a produção e afirmou que eles tinham direito à proteção legal com salário mínimo e direito a horas extras. Não foi divulgado qual deverá ser a multa para o estúdio.

A Fox afirma que vai recorrer da decisão. "Estamos muito decepcionados com as decisões do tribunal", disse o estúdio em comunicado. "Acreditamos que eles cometeram um erro e procuraremos reverter a decisão o mais rápido possível".

O estúdio afirmou que mudou suas diretrizes em julho de 2010 para garantir que todos os estagiários sejam remunerados com pelo menos US$ 8 por hora.

"O Cisne Negro" arrecadou mais de US$ 300 milhões de bilheterias e teve um Oscar de Melhor Atriz para Natalie Portman, em 2011. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo