Filmes e séries

"Antes da Meia-Noite" encerra com maturidade trilogia sobre relacionamentos

Alessandro Giannini

Do UOL, em São Paulo

13/06/2013 14h47

"Antes da Meia-Noite" encerra a trilogia de Richard Linklater sobre a evolução dos relacionamentos amorosos. Com Julie Delpy e Ethan Hawke de volta aos papéis de Céline e Jesse, dá sequência aos longa-metragens "Antes do Amanhecer" (1995) e "Antes do Pôr-do-Sol" (2004), do mesmo diretor. A maturidade fez bem ao filme, o  melhor e mais denso dos três.

Dezoito anos depois do filme que originou a série e nove anos depois do segundo segmento, Linklater leva Céline (Delpy) e Jesse (Hawke), agora casados e pais de gêmeas, para a Grécia, onde passam as férias na casa de amigos.

Como nos filmes anteriores, a locação não é por acaso. Berço da civilização moderna e da filosofia antiga, a Grécia, suas ruínas e seu clima são o cenário perfeito para o estado de coisas em que se encontram Céline e Jesse, ambos em torno dos 40 anos, no auge de suas vidas, carreiras e do relacionamento.

O filme começa com a família, que mora em Paris, se despedindo do filho mais velho de Jesse, Henry, que está a caminho de casa, nos Estados Unidos, onde mora com a mãe.

O enredo se constroi a partir de um impasse: Jesse, um escritor consagrado, quer ir morar perto do filho para poder compensar os anos de ausência, mas precisa convencer Céline, que tem uma oferta de trabalho na Europa, a ir com ele e abrir mão de tudo.

Para dar ao casal um pouco de respiro, os amigos gregos de Jesse e Céline lhes dão um presente: uma noite em um hotel, enquanto cuidam das filhas pequenas. Eles resistem no começo, mas são convencidos a aceitar a oferta depois de um almoço em que se discutem os relacionamentos em várias fases da vida.

Uma crise dormente se evidencia quando o casal está no quarto de hotel, pouco antes de começarem os rituais para o sexo. Delpy, uma mulher agora mais madura e rotunda do que nos seus 20 anos, é corajosa o bastante para se permitir aparecer sem maquiagem e seminua.

E a questão central não tem nada a ver com o fato de que, depois de tantos anos, desencontros e reencontros, eles ainda se sentirem ou não atraídos um pelo outro. A "problemática" é outra: por que ela, depois de tanto tempo, tem que abrir mão de sua vida e sua carreira para que ele possa compensar o tempo perdido com o filho?

Ao puxar o tapete e escancarar os problemas que verdadeiramente se colocam no caminho de um relacionamento de quase dez anos, Linklater foge da trivialidade com que se constroem comédias românticas convencionais. A "máquina do tempo" mencionada por Jesse no desfecho do filme não é a melhor solução para resolver o que os atormenta. Voltar no tempo em busca de uma beleza perdida ou de uma paixão esmaecida não ajuda. Ao contrário.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
Reuters
Roberto Sadovski
do UOL
Cinema
EFE
do UOL
UOL Jogos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Jogos
Cinema
EFE
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
EFE
Da Redação
do UOL
do UOL
Topo